segunda-feira, outubro 20, 2014


Ciao!!!


O Grupo Editorial Record divulgou os lançamentos do mês de outubro. Tem biografia, romances, policial, comédia, história de superação entre os destaques no Literatura de Mulherzinha.
Confiram!!!

BRIGITTE BARDOT, de Marie Dominique Lelièvre
A VIDA DE UM DOS MAIORES ÍCONES FEMININOS DA HISTÓRIA

Nesta deliciosa biografia, conhecemos a verdadeira Brigitte Bardot: mimada, complexada, voluntariosa e, ao mesmo tempo, talentosa, sensível, encantadora. É essa ambiguidade o verdadeiro atrativo da atriz, que conquistou o público, amantes e famosos diretores de cinema, antes de se recolher ao ostracismo auto imposto para cuidar dos animais. De femme fatale à figura polêmica na França, Lelièvre descortina a vida de uma das mulheres mais famosas do mundo, que ainda permanecia misteriosa para muitos.

CORAÇÃO DE MÃE, de Jodi Picoult
DA AUTORA COM MAIS DE 26 MILHÕES DE LIVROS VENDIDOS NO MUNDO

Paige tem apenas algumas lembranças de sua mãe, que a abandonou quando ela era uma garotinha. Agora, aos dezoito anos, ela deixa o pai para trás em Chicago em busca do sonho de cursar a faculdade de artes. Mas Paige vê seus planos mudarem quando conhece Nicholas, um ambicioso estudante de medicina com quem logo se casa.
Depois de alguns anos tentando se encaixar nos ambientes abastados que Nicholas frequenta — e se sentindo mais deslocada do que nunca —, Paige engravida inesperadamente. Sobrecarregada pelas exigências de ter uma família, ela não consegue esquecer a ausência da mãe e as memórias dolorosas do passado, que a fazem duvidar de si mesma.
Lutando para se encontrar e finalmente acreditar nas próprias capacidades, Paige toma uma atitude chocante, que trará consequências avassaladoras para todos os envolvidos. Em Coração de mãe, Jodi Picoult constrói com perícia um romance cativante, que examina emoções e problemas com os quais todos nós podemos nos identificar.

DIÁRIO DE UMA GAROTA NADA POPULAR 6,5, de Rachel Renee Russel
O MAIS NOVO LIVRO DA SÉRIE QUE JÁ VENDEU MAIS DE 600 MIL EXEMPLARES NO BRASIL

Como Nikki Maxwell sabe, manter um diário é uma ótima maneira de conhecer a pessoa mais importante da sua vida: VOCÊ! Este diário da série Diário de uma garota nada popular traz questões para todos os dias do ano. Se você pudesse trocar de lugar com alguém por um dia, quem seria esta pessoa e por quê? Qual música você poderia ouvir 100 vezes? Por qual programa de TV você está apaixonada no momento e por quê? Qual a roupa mais espetacular do seu guarda-roupa? Coloque seu toque pessoal nessas questões e em muitas outras – e como este é um autêntico Diário de uma garota nada popular, Nikki apresenta suas respostas e desenhos também!




A ÚLTIMA VÍTIMA, de Tess Gerritsen
NOVO LIVRO DE UMA DAS AUTORAS DE LIVROS POLICIAIS MAIS POPULARES NO BRASIL

Quando a família adotiva de Teddy Clock, de 14 anos, é massacrada e o menino torna-se o único sobrevivente, a detetive da polícia de Boston Jane Rizzoli é chamada para investigar o caso. E descobre que a morte cerca o menino: sua família biológica também foi assassinada. Por causa dessa estranha coincidência, Jane logo leva Teddy para Evensong, uma escola isolada no Maine que protege crianças que perderam suas famílias de forma violenta. Porém, o passado de Teddy revela semelhanças assustadoras com as tragédias de outros dois alunos do colégio, Will Yablonski e Claire Ward, fato que faz com que Jane e sua parceira, a patologista Maura Isles, fiquem de olhos bem abertos. Estariam os três adolescentes, já tão marcados pelas cicatrizes da violência, seguros dentro dos portões de Evensong?

O ABC DA MULHER MODERNA, de Clare Conville, Liz Hoggard e Sarah-Jane Lovett
TRÊS MULHERES PERIGOSAMENTE SÁBIAS, OFERECENDO CONSELHOS PRÁTICOS E BEM-HUMORADOS SOBRE INFIDELIDADE, MODA, AMIZADE, CASAMENTO E OUTROS

“Como uma mulher moderna deve se comportar?” Esta talvez seja uma das maiores perguntas do universo feminino — uma dúvida tão ampla e profunda que poucas mulheres foram capazes de dar uma resposta definitiva. No entanto, Clare Conville, Liz Hoggard e Sarah-Jane Lovett compartilham seus pensamentos sobre esta questão em O ABC da mulher moderna. Com mais de seiscentos verbetes, que vão de “Como receber um elogio” e “Insegurança” até “Terapia de família”, “Ir para um convento”, “Casos”, “Movimento feminista”, “Amizade colorida”, “Meditação” e muito mais, este é o livro de cabeceira perfeito para todas as mulheres.

OS ÚLTIMOS PREPARATIVOS, de Maggie Shipstead
UMA COMÉDIA ATUAL E DIVERTIDA COM DIREITOS PARA CINEMA COMPRADOS POR SOFIA COPOLLA

É o fim de semana do casamento de Daphne. Winn Van Meter, seu pai, segue em direção à ilha de Waskeke, onde acontecerá o evento. No carro, leva o vestido da filha e questões que atormentam seus pensamentos. Agatha, amiga de Daphne, faz com que ele cogite pela primeira vez ser infiel, e Van Meter tem certeza de que sua não entrada no Pequod, o clube de golfe da ilha, é culpa de seu antigo — e suposto — rival Jack Fenn.
Enquanto isso, Livia, a filha mais nova de Winn, acabou de sair de um relacionamento traumático, mas no fundo acredita que vai dar a volta por cima. Porém, na busca de algo que a ajude suportar a perda, pode encontrar problemas ainda maiores.
Assim é montado um divertido espetáculo regado a gins-tônicas, desejos reprimidos e uma baleia encalhada.

UM SALTO PARA FELICIDADE, de Sara Gruen
UMA EMOCIONANTE HISTÓRIA DE SUPERAÇÃO, DA AUTORA DE ÁGUA PARA ELEFANTES

Como hipista de nível internacional e candidata a uma vaga nas Olimpíadas, Annemarie Zimmer vivia apenas para sentir a empolgação de montar e competir. Aos 18 anos, porém, um trágico acidente destruiu tanto sua carreira na equitação quanto Harry, o belo cavalo que ela tanto amava. A partir daí, sua vida nunca mais foi a mesma. E agora, anos depois, a sorte parece mais uma vez lhe pregar uma peça. Após uma série de infelicidades, e ao descobrir que o pai está gravemente doente, Annemarie precisa voltar ao haras da família e lidar com traumas do passado. Porém, ao encontrar um cavalo igual a Harry, ela acaba tendo de enfrentar muito mais do que ousaria imaginar.



Mais sobre todos os lançamentos, visite o Facebooko Instagram e o site da editora, além de segui-los no Twitter!!!

Bacci!!!

Beta

domingo, outubro 19, 2014

Ciao!!!


Já vou avisando. Não é um livro fácil de ler. É um daqueles que se você for (ou estiver) leitor tipo esponja, vai acabar sendo consumido pela dor enfrentada pelos personagens. Ou somar às suas próprias dores.
Estão avisados?

As batidas perdidas do coração – Bianca Briones – Verus
(2014)
Personagens: Viviane Villa e Rafael Farias

Viviane e Rafael se conheceram no pior momento possível, no hospital, após a informação de que tinham perdido pessoas importantes de forma sofrida e trágica. Eles acabaram se reencontrando e surgiu uma atração entre as pessoas mais opostas possíveis. Ela, uma jovem de família rica e protegida. Ele, um bad boy ambulante que já sofreu antes e sabe que pode não aguentar novas porradas da vida. A dor os apresentou. A dor os uniu. A dor fez com que eles se apaixonassem. A dor poderia separá-los.

Comentários:
  
- Já viu que pelo resumo acima que não será uma jornada fácil para nenhum dos envolvidos, né? Como é dito várias vezes ao longo do livro e inclusive é tema de uma reflexão de Viviane, eles são totalmente inadequados um para o outro. Por toda a dor que sentiam e por todas as diferenças de vida existentes entre eles. E se for um (a) leitor (a) do mesmo tipo que eu, ou seja, dependendo do momento da vida, extremamente “esponja”, também não será fácil para você. Acabou se tornando uma leitura exigente, desgastante e, de certa forma, exaustiva.  

- Vou falar do que eu gostei: gostei de perceber que a autora escreve bem. Porque ela conseguiu prender minha atenção e me fazer insistir mesmo quando outras coisas quase me fizeram largar o livro. Já passei por outros livros onde o jeito da autora escrever, somado a uma trama que não me agradou, renderam ou o abandono do livro ou, desde o Literatura de Mulherzinha, em posts malcriados por aqui. Então, posso dizer sem medo: a autora sabe ouvir os personagens e transmitir o que eles querem contar. Ah, amei também a maior parte das constantes referências musicais, seja nas frases que abriam os capítulos; nas músicas citadas em determinados trechos, sempre com função clara na história e em cantores e bandas mencionadas.

- Agora vou contar do que eu, pessoalmente, não gostei. Quero que vocês entendam isso: leitura é uma experiência extremamente pessoal. Pode ser que um livro não funcione em determinado momento e, em outro período da vida, ele seja totalmente pertinente. Começando pelo óbvio: tenho sérias ressalvas com os personagens estilo bad boy, que entraram em voga com o sucesso do Travis, de Belo Desastre e Desastre Iminente (sim, sei que tem o Belo Casamento, mas a gente vê muito mais da personalidade dele nos dois livros). E quem leu meus comentários sobre os dois livros notou que eu deixei claro que “ele não é para mim”. Em vários momentos, o Rafael me fez ter deja vu do Travis, mesmo que por atitudes diferentes em caminhos semelhantes: o fato de ser pegador, não gostar de repetir garota e de se assumir “como um perigo para ela”, mas não ter como fugir disso; apesar de que os fatores que desencadeiam o sofrimento de Travis são light perto do que acontece com Rafael e, por tabela, com todos com quem ele se relaciona, incluindo Viviane.

- No terço inicial, o livro me remeteu a uma fala do Batman, de 1989: “Tell me something, my friend... You ever dance with the Devil by the pale moonlight?” Porque os personagens desta história, principalmente os protagonistas foram ao inferno, mas sem previsão de retornar. O livro começa com uma perda, com impacto enorme, para os dois. A partir daí, começamos a acompanhar a jornada de ambos, desde o encontro, o reencontro, a atração, as escolhas que são obrigados a fazer, a repressão que sofrem, as decisões que precisam tomar e assumir as consequências. Ok, pela sinopse, a gente poderia prever isso.

- O que eu não poderia prever é que o livro fosse manter esta toada até o fim. Da metade para a frente, há acontecimentos que complicam ainda mais o relacionamento deles. É uma sequência de desgraças, que leva a um desdobramento que fica a um tiquinho da tragédia completa. Senti falta de momentos de verdadeira felicidade entre eles, porque mesmo os momentos felizes tinham um “e se/quando der errado, o que será de mim?” pairando ali. E o Rafael é arrasado. Já vi personagem ser destruído pelas porradas que leva – a Gena Showalter não tem a menor pena dos Senhores do Mundo Subterrâneo, mas ela puxa o freio das desgraças em vários momentos, para dar um momento para a gente e eles possam respirar. Na minha opinião de pessoa que é incompatível com livro onde tudo dá errado em overdose para os personagens (adivinhem por que não leio e não pretendo ler Nicholas Sparks?), faltou um freio no livro. Sério. É desesperadamente excessivo. Não precisava de tanta coisa ruim arrebentando os personagens. Posso resumir assim parte da reta final do livro: “Piora!”. 
“Piora mais!” 
“Piora muito mais!”
“Piora sem limites!”
“... (sem definição do quanto pior está)”. 
Exatamente, praticamente você entrando sozinho e desarmado em uma convenção de dementadores. Não terminei feliz por eles, terminei aliviada por ter acabado e não correr mais o risco de virar a página e topar com outra desgraça. Sim, eu sei que a vida não é um mar de rosas e fofa com todos, mas eu já lido com a realidade nua e crua todos os dias (e posso garantir, sim, muitas pessoas têm motivos pra chorar de ponta a ponta na vida) e na hora de ler busco por um pouco de paz. Não tive aqui.



- Não foi livro para mim. Mas pode ser para você, se você gosta do bad boy, da heroína capaz de superar o próprio sofrimento para salvar uma alma torturada e mais perdida que a dela, de uma sucessão de tragédias até não sobrar nada e que tenta ficar junto mesmo quando tudo indica que seria muito melhor e mais fácil para eles ficarem separados. Viviane intuiu que era cilada e comprou a briga até quando foi possível. Até quando coube a Rafael lutar por ele e por eles.

- Para a Bianca, meu total respeito por conseguir um espaço para publicar a história. E um desafio: espero que, na próxima, o invés das coisas ruins, invista no que de bom pode acontecer a partir de um relacionamento. Se a descida aos infernos rendeu uma história intensa, imagina só quando encontrar aqueles que querem te contar o que pode acontecer no caminho contrário, o da subida aos céus?!

- Links: Goodreads autora e livros; site oficial (Facebook).

Bacci!!!

Beta

sábado, outubro 18, 2014

Ciao!!!


Ai que protagonistas masculinos mais deliciosos.
Ai que protagonista feminina irritante.
Mas a série é boa e consegue te divertir. Apesar da burrice da criatura!

Plano Ousado – Carole Mortimer – Paixão 385 (Os diabólicos D’Angelos 1/3)
(A D’Angelo like no other – 2014 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: Eva Foster e Michael D’Angelo

Eva invadiu a galeria Archangel de Paris disposta a encontrar o pai dos sobrinhos gêmeos. Primeiro acusou Michael até descobrir que não seria ele, mas Rafe. O problema é que Rafe estava inacessível nos próximos dias e Michael decidiu abrigar a família falida no apartamento dos D’Angelo. Primeiro para preservar todo mundo de um escândalo, segundo porque Eva não tinha mais condições de cuidar sozinha das crianças e terceiro, porque ela mexeu com ele. Até comprovar a história, nada melhor que ficarem juntos...

Comentários:

- Michael, o mais velho, sisudo e sério dos irmãos D’Angelo. Uma história que é repetida desde o início da trilogia, o fato de ele ser assim despertou a sensibilidade de Bryn, que sentiu que tinha algo por trás. E aqui a gente descobre o que tornou Michael assim e o que vai tirá-lo disso. Uma mulher baixinha (bem, como os três são gigantes, qualquer pessoa normal é baixa perto deles), com olhos violeta que o acusou de ser pai dos sobrinhos dela, um casal de gêmeos. Até descobrir que ele não era Rafe. E agora para proteger a felicidade recém-conquistada do irmão, ele se dispôs a cuidar da família até entender o que estava acontecendo.

- Da forma que os D’Angelo foram feitos, não saiu uma versão de carne e osso, não? Assim, só por curiosidade. Meio ingleses, meio italianos, o melhor de cada uma das partes. Gente, quero de presente, onde tem pra encomendar? Os três irmãos se adoram, mesmo tão diferentes, com personalidades e talentos que se complementam na gestão das galerias Archangel. E todos tão confusos e perfeitos quando se apaixonam. Michael não age bem à primeira vista quando entende o que Eva quer. Mas reage muito bem – pelo interesse da família e dele próprio. Apesar do histórico pessoal e de uma história incompleta que não pode ser checada até eles terem contato com Rafe novamente.

- Eva, minha filha, sei que só faltou o céu desabar na sua cabeça, porque todo o resto possível aconteceu. Mas pelo amor de Deus, a gente não sai por aí fazendo acusações sem saber corretamente a quem se acusa do quê. E muito menos entrando de sola na vida de um D’Angelo lindo, perfeito, muito muito muito sexy, com algumas asperezas acrescentadas pelas porradas da vida E FICA FAZENDO DRAMA! EM PARIS!!!! PelamordeDeus, parece esse povo que atira primeiro e pergunta depois. E a mania de tirar conclusões precipitadas. Pai amado, dai-me paciência. E um Michael D’Angelo. Eu saberia muito melhor o que fazer com ele. #fatão.

- Mas é um belo encerramento, ainda mais pelo prólogo e pelo epílogo, não apenas por unir os irmãos, mas por deixar clara qual era a grande meta de Michael e por apresentar a conclusão da jornada. Os diabólicos se renderam ao amor. E tirando Nina, ainda fico com a sensação que as outras demoraram demais para se dar conta do tesouro que tinham ao alcance das mãos e quase jogaram pela janela.

Trilogia “Os diabólicos D’Angelos 1/3”
Negócio Arriscado – Paixão 381 – Bryn Jones e Gabriel D’Angelo
Conquista Fatal – Paixão 383 – Nina Palitov e Rafe D’Angelo
Plano Ousado – Paixão 385 – Eva Foster e Michael D’Angelo


Bacci!!!

Beta

quinta-feira, outubro 16, 2014

Ciao!!!


Vivi e Lorelai são irmãs e vão encontrar o amor de suas vidas. Só que claro, não será tão fácil assim.
Quer saber o que acontece com as Irmãs Le Blanc?! Então, o Literatura de Mulherzinha vai te ajudar!

Serão sorteados 3 exemplares do livro As Irmãs Le Blanc!

Para participar, tem que:

Residir no Brasil.
Preencher o formulário abaixo corretamente. Lembrando que você é obrigado a fazer apenas UMA das solicitações do formulário para se inscrever: seguir o Literatura de Mulherzinha. As demais solicitações dão cupons extras para ter mais chance de ganhar, mas se você não quiser fazer as outras ações não há problema. 

a Rafflecopter giveaway


Reforçando que:

* O concurso é recreativo, não estando vinculado a marcas, compras e vendas de serviços.
* O sorteio será válido até 31/10.
* O resultado será divulgado no blog e nas redes sociais no dia 01/11.
* O contato com os ganhadores será feito via e-mail.
* Se algum sorteado não tiver seguido todas as regras ou não entrar em contato dentro de dois dias após o contato via e-mail, novo sorteio será realizado.
* As despesas de envio são por conta e responsabilidade do blog, que tem o prazo de um mês para enviá-los após o resultado do sorteio.
* Regras sujeitas a alterações sem aviso prévio!

Bacci!!!

Beta

segunda-feira, outubro 13, 2014

Ciao!!! 



Mais um da série “resgatando do Baú da Beta”. Em algum momento do meu longo relacionamento com romances históricos antes da ter o Literatura de Mulherzinha, eu li este livro (ainda quando pegava emprestado da minha prima e da amiga dela). Agora, depois de tanto tempo, achei um exemplar à venda em excelentes condições e comprei. Ele acabou incluído na Maratona Feliz Desaniversário 2014: Históricos.

Pássaros Viajantes – Elizabeth Lane - Clássicos da Literatura Romântica
(Birds of passage – 1991 – Harlequin Books)
Personagens: Mavis Whitney e James Forrester

Mavis perdeu o pai e foi assediada pelo patriarca da família nobre para a qual trabalhava. Assustada, fugiu para as docas onde embarcou para as Américas para trabalhar ser a serva e criada de uma importante viúva na Virginia. James comprou uma briga feia para Mavis poder embarcar e a está levando para servir sua futura noiva. Ele não esperava se encantar pela jovem inocente e que parecia encantada com a oportunidade de uma vida nova. No entanto, a jornada de ambos estava apenas começando e não seria fácil...

Comentários:

- Quando revi a capa do livro na loja, me lembrei de um detalhe: “Ai, essa criatura sofre igual personagem de novela mexicana”. E era verdade. A autora reservou à Mavis uma jornada repleta de sofrimento para poder ser digna da felicidade. Este é um melodrama dos clássicos, heroína ingênua e confiante escapa de um patrão abusivo e tarado na Inglaterra. Consegue embarcar para os Estados Unidos, onde aceitou um contrato de servidão por cinco anos como criada da noiva do capitão James Forrester. Uma jovem bonita demais, inocente demais para o próprio bem. E sem contar a vocação para “santa que abalou o mundo”: na viagem de navio, ela se voluntariou a ajudar outros passageiros, inclusive uns que se achavam melhores que os demais.

- O capitão James Forrester é lindo, honrado, comprou uma briga com um nobre poderoso para embarcar Mavis e para mantê-la no barco. Ao longo da travessia do oceano, ele percebe a beleza, a inocência e os bons sentimentos em torno da garota e se sente atraído por ela, que também está atraída pela beleza, honradez do capitão. Afinal de contas, ambos acabam se identificando por ter um sonho (no caso dela) e uma realização (no caso dele) em comum: a liberdade.

- Ah, sim – murmurou ela, os olhos fixos no horizonte – Pássaros viajantes.
- O quê?
- É uma expressão que li em um dos livros do meu pai. Durante muito tempo fiquei imaginando o que poderia significar. Agora acho que sei – disse ela, fitando-o com os olhos brilhantes. – Pássaros viajantes possuem toda a liberdade do mundo. Podem ir onde quiserem e ver tudo que desejarem sem nada ou ninguém que os impeça”. (p.41)

- Ao fim da viagem, com alguns contratempos no caminho (e o mar nem foi o mais grave deles), finalmente chegam à Virginia, onde Mavis percebe a extensão da decisão que tomou. Será criada de Celia Pomeroy, uma viúva bonita, vaidosa e que percebe a beleza da criada e trata de anulá-la a todo custo. Ela é branca, mas é tão escrava quanto os negros da fazenda e, portanto, sujeita ao mesmo tratamento deles, tanto por parte da dona quanto por parte do capataz que é o capeta em forma de gente – que se acha acima de todos os outros e faz o que quer, com a conivência da patroa. Nem precisa ser gênio para perceber que a noiva vai perceber o interesse do capitão James Forrester, para quem ela tem planos ambiciosos na sociedade local. Não lembro onde li que “não existe fúria maior que a de uma mulher rejeitada” e Célia leva ao pé da letra a expressão, contribuindo para aumentar o calvário de Mavis.

- A comparação com o estilo novela mexicana é porque quando eu achava que não havia mais forma de Mavis sofrer, sempre surgia algo novo e pior. E a extrema inocência e confiança da heroína só amplia o impacto do sofrimento, porque a nossa tendência é ficar sempre penalizado pelo mais fraco. Mavis chega perto do abismo de perder tudo. Decisões extremas serão tomadas, por amor, pela busca da felicidade, pelo fim do sofrimento e pela liberdade de poder existir como um ser humano, muito mais que o “objeto de servidão” dos ricos e poderosos. É história intensa, não é leve e não toma decisões que poupam os personagens. As barreiras entre Mavis e James não podem ser contornadas com decisões fáceis e simplistas. Talvez por isso eu não tenha me esquecido desta história. E com certeza por isso ela merece estar no Literatura de Mulherzinha.
  
- A propósito, o nome original da protagonista é Raven, corvo. Em português, para manter a coerência, ela foi chamada de Mavis, que também é um pássaro.


Bacci!!!

Beta