segunda-feira, dezembro 22, 2014

Ciao!!!


E pronto, eis a última história a série Os Corretti da Sicilia no Literatura de Mulherzinha. Como já disse no volume 4, as duas tramas tratam dos três envolvidos no fato que desencadeia todas as tramas: o casamento que não aconteceu entre as famílias Corretti e Battaglia. É a vez de saber o tamanho da confusão entre Matteo Corretti, a mala da vez, e Alessa Battaglia, a sofredora da vez

Fome pelo proibido – Maisey Yates – Paixão Sagas 17 (Os Corretti da Sicilia 4/4)
(A hunger for the forbidden – 2013 – MB Sicilian Scandals)
Personagens: Alessia Battaglia e Matteo Corretti

Era para ter sido um caso de uma noite só. Que se complicou além das expectativas dos envolvidos. Alessia não foi capaz de cumprir o prometido entre seu pai e os Corretti e fugiu do casamento com Alessandro. Matteo a rejeitou até ela criar outro escândalo público. No entanto, o que fazer diante do fato concreto de que o homem que ela sempre considerou seu herói de armadura branca não era o que ela pensava e muito menos queria este papel?

Comentários:

- Alessia, minha filha, não era amor, era cilada, cilada, cilada! E não dá nem pra te mandar ficar calma, porque a cilada é das bravas. Primeiro, romper o acordo entre duas famílias que não se bicam e envolvia muito mais que o casório do qual ela fugiu. Segundo, desmoralizar o atual “líder” Corretti abandonando-o no altar. Terceiro, o motivo ser a atração (que vamos descobrir ao longo da leitura que é apenas a ponta do iceberg) pelo primo e rival Matteo. E para piorar: Matteo não queria nada com ela, porque também a abandonou à própria sorte (falta de, no caso).

- Pega o tacape do Bam-Bam e prepara: você vai querer usar em Matteo. Com força. Ainda mais lembrando que ele contribuiu para a confusão e puf!, evaporou. Em livros anteriores (histórias do Luca e do Angelo, se não me engano), algumas das consequências disso são mencionadas. Ele rompeu contato com Alessia, forçando-a a tomar uma atitude drástica e escandalosa (o que nenhum dos Corretti e Battaglia agradeceria). Ele é uma topeira. Uma topeira com a qual ela teria que conviver para o bem dela e dos irmãos, além de minimizar os danos colaterais causados pela fuga do casamento.

- É a partir da convivência forçada, espinhosa, repleta de troca de palavras duras que passamos a entender mais sobre a personalidade dos protagonistas. A menina órfã de mãe que se desdobrou em cuidados para preservar a infância dos irmãos mais novos e protegê-los do péssimo caráter do pai. O garoto que cresceu vendo os piores exemplos e lutando para controlar o que todos diziam ser genético e davam como fato concreto, o “lado negro” dos Corretti. No entanto, Alessia acredita até beirar o impossível que Matteo pode sim ser esse homem que faz a coisa certa, que canalisa essa energia para atitudes produtivas e não violentas, só que ele sabe que isso não acontece em um passe de mágica. O caminho é longo, perigoso e pode ser que ele não esteja pronto para ser o que foi criado para (e pensa) ser. Por ter esse conflito mais detalhado ao longo da história e pontuando com as revelações, as dúvidas e fraquezas nos momentos adequados, achei a história de Alessia e Matteo uma das melhores desta série, irregular, mas que rende boa leitura.

Série Os Corretti da Sicília

Prequel: Uncovering the Correttis  – Carol Marinelli – não foi lançado (Emily Hyslop e Anton Sorrano)
Legado de Silêncio  – Carol Marinelli – Paixão Sagas 14 (Os Corretti da Sicilia 1/4) - Ella e Santo Corretti
Convite ao pecado – Sarah Morgan – Paixão Sagas 14 (Os Corretti da Sicilia 1/4) – Taylor Carmichael e Luca Corretti
Sombra de culpa – Abby Green – Paixão Sagas 15 (Os Corretti da Sicilia 2/4) – Valentina Ferranti e Gio Corretti
Herança de desonra – Kate Hewitt – Paixão Sagas 15 (Os Corretti da Sicilia 2/4) – Lucia Anturri e Angelo Corretti
Sussurrosde tragédia – Sharon Kendrick – Paixão Sagas 16 (Os Corretti da Sicilia 3/4) – Rosa Corretti e sheik Kulal
Frágil fachada – Lynn Raye Harrsus – Paixão Sagas 16 (Os Corretti da Sicilia 3/4) - Lia Corretti e Zach Scott
Notícias escandalosas – Caitlin Crews – Paixão Sagas 17 (Os Corretti da Sicilia 4/4) – Elena Calderon e Alessandro Corretti
Fome pelo proibido – Maisey Yates – Paixão Sagas 17 (Os Corretti da Sicilia 4/4) – Alessia Battaglia e Matteo Corretti


Bacci!!!


Beta 

domingo, dezembro 21, 2014

Ciao!!!



Confesso que no meu atual estado mental – atolada de coisas para fazer até as próximas cinco gerações no profissional e no pessoal – o lançamento desta série me passou batido.
Até que, quando Maomé não vai à montanha, ela bate na porta da sua casa...
              
A vida como ela era - Susan Beth Pfeffer – Bertrand Brasil
(Life as we knew it - 2008)
Personagens: Miranda Evans e sua família

O que era para ter sido um evento único se tornou um divisor de águas para os moradores do planeta Terra. Um asteroide colidiu com toda força com a Lua, tirando-a da órbita. Acompanhamos como a vida de Miranda, que morava com a mãe e o irmão caçula, além do irmão mais velho que estava na faculdade e o pai que morava com a segunda família em outro estado, deixa de ser rotineira e sem novidade. E um passo sob a lua enorme que paira sobre todos em um mundo completamente imprevisível.

Comentários:

- Não, não é meu estilo. Mas li assim mesmo. Primeira coisa, meio nada a ver, mas acabei me lembrando de um sonho que eu tive duas vezes quando era criança (um daqueles que a gente não entende e não esquece). Em uma versão, era eu pequena, na primeira casa de onde tenho memória de ter morado, olhando fascinada uma lua cheia enorme e brilhante enquanto segurava uma boneca que eu tinha (que usava uma roupa de pelúcia roxa). Na outra versão, eu estava na casa da minha tia e todo mundo observava a mesma lua cheia enorme e brilhante, mas havia um clima de temor no ar. Nunca pesquisei o que significava, ainda mais porque minha intuição me deu algumas dicas, mas também nunca esqueci.

- E o livro me angustiou muito. Porque a gravidade da situação fica clara rapidamente para as pessoas. O asteroide tirou a lua da órbita e, por tabela, causou uma confusão na Terra. As marés piram, tsunamis, terremotos, tempestades, vulcões surgindo onde não existiam. Milhões de mortos. E as condições se tornando cada vez piores, deteriorando saúde, relacionamentos e esperanças.

- A gente acompanha tudo pela ótica de Miranda Evans, que morava em Howell, uma cidade da Pensilvânia, com a mãe, Laura e o irmão caçula, Jonny. Com o caos, o irmão mais velho, Matt, voltou. Eles conviviam com a vizinha, a idosa sra. Nesbitt e recebiam visitas de Peter, o médico quase-namorado da mãe dela. O pai morava com a segunda esposa grávida em Springfield. Em um mundo normal, ela relataria no diário a expectativa de quem a convidaria para o baile, as discordâncias de opinião com Megan, que estava se voltando para Deus através das palavras e ensinamentos do Reverendo Marshall ou com quem Sammi sairia. Ela diria muita coisa sobre as chances de Brandon Erlich na patinação artística nas Olimpíadas de Inverno. E reclamaria de que os professores não tinham misericórdia ao passar as lições de casa.

- No entanto, não era mais um mundo normal. Era um mundo hostil, com clima instável. Onde a forma como cada um reagiu no início determinou as chances de sobreviver ou não. As adversidades cada vez maiores, fazendo uma seleção dos mais fortes física e emocionalmente. Até as pessoas que você ama podem se transformar e agir de forma diferente e agressiva. Nada mais é como antes. Os dias bons – quase aparentemente normais – se tornam raros, mágicos e preciosos. A maior parte é de sobreviver como for possível, aprender a racionar comida, a viver sem eletricidade, a lidar com monstros internos e externos, não cair em desespero diante das incertezas e saber que, no dia seguinte, alguém querido pode não estar vivo e que não há garantias de quanto tempo você consegue permanecer sem se tornar o próximo nome na lista de mortos.

- A forma da autora escrever é muito boa. Você consegue mergulhar no sentimento de Miranda diante de tudo que não faz mais sentido. Dos bons aos maus momentos. Das atitudes que você concorda e discorda. Como disse, me deixou angustiada porque ela narrou algo possível. Você não precisa que um asteroide bata na lua e a tire do prumo para que a sua vida se torne um caos ou para você temer não dar conta da responsabilidade que tem pela frente. Às vezes por si mesmo. Às vezes por outra pessoa. O livro é bom. Se você gosta deste estilo, provavelmente não irá se decepcionar. É a abertura de uma série. Então, boa leitura. Enquanto isso, vou caçar chocolate e Tom Hiddleston ou Guardiões da Galáxia para despachar esta angústia para o limbo que ela merece.

Quadrilogia Os Últimos Sobreviventes:
1 - A vida como ela era – Life as we knew it 
2 – Os vivos e os mortos - The dead and the gone 
3 – O mundo em que vivemos - This world we live in
4 – A sombra da lua – The shade of the moon

- Links: Goodreads livro, série, autora; site da autora; booktrailer.

Bacci!!!


Beta

sábado, dezembro 20, 2014

Ciao!!!



Eu não combino com este tipo de livro. Ainda mais na fase em que estou. Precisando desesperadamente de coisas fofas e que me tirem da realidade.
Mas pode ser que este livro é justamente o que te interessa. Ainda mais agora que virou filme, com elenco com nomes conhecidos.

Homens, mulheres & filhos – Chad Kultgen – Record
(Men, women & children)
Personagens: pais e filhos ligados à Goodrich Junior High

O autor apresenta aquilo que ninguém sabe – talvez nem os próprios personagens – de pais e filhos relacionados à uma escola nos Estados Unidos. Os pensamentos mais íntimos, os desejos, as frustrações, as confusões, aos hormônios enlouquecidos, a competitividade, à apatia, à tristeza, a neurose, à luxúria, ao abandono de cada um pode interferir, de forma até inconsciente, na vida dos outros e afetar até uma comunidade.

Comentários:

- Foi erro meu. Admito. Imaginei que seria totalmente diferente (em parte porque estou querendo coisas que me levem para a convenção dos Ursinhos Carinhosos e do Meu Querido Pônei, ou seja, fofas, suaves e que despertem a vontade de fazer aquele “awwwwwww”). Óbvio que o livro não tem culpa das minhas expectativas. O estilo é seco e direto. Os personagens estão longe de serem agradáveis, porque o autor expõe aquilo que geralmente não mostram por trás de uma fachada de família feliz, jovens saudáveis, casais amorosos. Quando a gente tira a cera percebe que, por trás do sorriso se escondem, inseguranças, preconceitos, competitividade inútil, inveja, desejos frustrados, cinzas de um relacionamento.

- Temos a família Truby, onde não há mais desejo entre Don e Rachel, que os leva a buscar fora o que deveriam ter um com o outro. E o filho Chris, jogador de futebol americano, cuja curiosidade por sexo o leva a pesquisar na internet. Temos os Mooney, Kent, pai e Tim, filho, lidando com a família desfeita após a esposa/mãe abandoná-los por outro relacionamento longe dali e reagindo como acham melhor em uma situação tão ruim: pai mergulhado em si mesmo, filho largando atividades sociais, apesar de ser o astro do futebol americano da escola, e mergulhando no World of Warcraft. A jovem Allison Doss encontra em dietas radicais o caminho para se tornar uma garota atraente aos olhos dos garotos que a menosprezavam e a rotularam de gorda e para se tornar uma magra feliz aos próprios olhos, que nunca estão satisfeitos com o que veem. Já Dawn Clint encontrou na beleza precoce da filha, Hannah, uma forma de buscar distinção e fortuna, muitas vezes, transcendendo alguns limites. Enquanto isso, Brandy Beltmeyer tenta encontrar alternativas à superproteção da mãe, Patricia, que faz vistorias em todas as contas da garota na internet, excluindo pessoas e impedindo contatos com a filha alegando que a protege dos perigos online, obrigando-a a criar um perfil alternativo para poder se expressar e interagir. O técnico Quinn que desconta no time de futebol americano as frustrações e fracassos da vida pessoal, exigindo dos garotos algo que não é da competência deles. E o casal perfeito, Danny Vance, outro integrante do time de futebol americano, e a líder de torcida, Brooke Denton, às voltas com a “obrigação” de terem a primeira relação sexual porque se conhecem desde sempre e estão juntos desde sempre, então não podem ficar para trás diante e perante dos colegas, mesmo que não estejam preparados para isso.

- A forma como todos lidam com o sexo é o fio condutor da narrativa – interligando ou cortando as relações entre eles, com as revelações e omissões que complicam os relacionamentos. Há quem não se ame, mas ainda está junto. Há quem sofra por ter sido chutado. Há quem usa o sexo como forma de distinção. Há a competitividade entre os adolescentes usando o sexo para chocar os amigos, se distinguir entre eles, enquanto descobrem do que podem gostar mesmo sem ter experimentado ainda. São laços não muito sólidos que regem alguns destes relacionamentos, por isso, grandes chances de nada terminar como eles gostariam. Atitudes extremas e sofrimentos não estão descartados, na verdade, pairam sobre a jornada dos personagens, apenas esperando a hora de entrar em ação.

- Pegue o mundo cor de rosa e o desbote até ficar de tons mais escuros, com lampejos passionais. Não se espante se tudo acabar nos extremos, seja preto ou branco e se você tiver a sensação de vazio. Como bem detalha a citação de Carl Sagan no início, tem uma coisa da qual a gente não consegue fugir...

Nosso planeta é um pontinho solitário na grande escuridão cósmica que nos cerca. Em nossa humilde condição, em toda esta vastidão, não há qualquer indício de que alguma ajuda virá de outro lugar para nos salvar de nós mesmos”.

- Links: Goodreads livro e autor; site oficial do autor e trailer do filme.

Bacci!!!

Beta

domingo, dezembro 14, 2014

Ciao!!!



Oi, meu nome é Roberta e eu fui uma blogueira stalker. Acompanhei todos os passos sobre este livro, porque era um dos lançamentos de novembro da Verus que eu QUERIA LER MUITO. (Quer saber qual era o outro?).
E posso antecipar que a espera valeu muito a pena.

Breakable - Tammara Webber – Verus
(Breakable - 2014)
Personagens: Landon Lucas Maxfield

Uma tragédia levou um menino amado pelos pais a se tornar um adolescente confuso e preso à perda e à dor, enquanto buscava uma forma de (não) lidar com isso. Com narrativa em dois tempos – antes e depois de chegar na faculdade (a partir do ponto em que ele e Jacqueline se conhecem) – entendemos o quanto o passado transformou Landon Lucas em quem ele se tornou. Como muitas vezes o inimigo a vencer era ele mesmo e como o amor trouxe o que ele necessitava mas achava que não teria de novo.

Comentários:

- Vou começar com o chororô: a autora veio ao Brasil para o lançamento do livro e pena que foi justo quando minhas férias acabaram! Não deu pra ir encontrá-la. Ponto. Fim do chororô. Antes de encarar Breakable, seria muito legal se você já tiver lido Easy, que é parte da história narrada aqui sob o ponto de vista de Jacqueline. Geralmente não tenho paciência com livros que são a mesma história contada por outro personagem. No entanto, neste caso, fez todo sentido porque a autora nos ofereceu mais do que “Ok, agora, vocês vão ler Easy narrado por Lucas”. Neste caso, para mim, fez sentido porque ele é um personagem muito rico e interessante. E a jornada pelo ponto de vista pessoal, sentimental, narrativo dele é muito interessante, porque oferece pontos que foram citados em Easy e aqui foram detalhados.

- A história é narrada em dois tempos, divididos em Landon e em Lucas. Em Landon sabemos o impacto da tragédia (quem comentar, cuidado com os spoilers, para não prejudicar quem ainda não leu) na vida do adolescente. A forma como ele reagiu, de que forma o mundo em que ele vivia foi destruído, a necessidade de mudar, de se adaptar a novos lugares, a falta de compreensão e de apoio, além da própria dificuldade em falar sobre a dor e encontrar outros meios de lidar com ela. Temos a total compreensão de porque Landon é “quebrável” ou “frágil” como preferir e do quanto ele precisou encontrar força para mudar novamente a vida do rumo para o qual ela parecia correr de braços abertos.

- Em Lucas, percebemos o tamanho do caminho que ele percorreu, as marcas que ficaram, não apenas internas como as que ele fez questão de expressar na pele, nas tatuagens e piercings. A aparência de bad boy atraía e afastava, criando primeiras impressões que ele não se importava em desfazer. Até o momento em que ele reparou em um jovem estudante muito babaca e na forma como este cara tratava a namorada troféu. Foi quando ele percebeu Jacqueline. A partir disso, a monitoria nas aulas de Economia ficou muito mais interessante, porque os olhos de Lucas captavam os mínimos detalhes sobre ela, inclusive aqueles que parecem insignificantes para serem notados.

- É um livro sensível, que não poupa o personagem, mas trata a sua jornada – especialmente os momentos barra-pesadas – com a força e delicadeza que merecem. Não exagera na desgraça – que por si só paira ao longo da história – e leva a gente a entender quem é Landon Lucas e como ele se tornou o rapaz que mudou a própria vida e a de Jacqueline. Todos sabem como sou chata com dramas, mas Easy e Breakable encontraram uma cadeira cativa no meu coração.

Série Contornos do Coração (não se preocupe, o livro explica a origem do nome da série)
1. Easy 
2. Breakable 


Bacci!!!

Beta

sábado, dezembro 13, 2014

Ciao!!!




E este livro histórico de um casal incompatível, teimoso e orgulhoso ficou com a missão de encerrar a Maratona Feliz Desaniversário 2014. Nem preciso contar a satisfação de cumprir mais uma missão em prol do Literatura de Mulherzinha.

A donzela e o guerreiro – Jacqueline Navin – Clássicos Históricos Especial 52
(The maiden and the warrior – 1998 – Harlequin)
Personagens: Alayna de Avenford e Lucien de Montregnier

Alayna tinha sido forçada a um casamento, mas ficou viúva antes de ele ser consumdo. O problema é que Lucien, que venceu a batalha, não queria devolver a liberdade a ela, por considerá-la, uma peça importante para permanecer como dono de Thalsbury. Um homem arrogante que não confiava em mulheres nem dava explicações. Uma jovem mulher acostumada a ser tratada como princesa, ludibriada a um casamento e forçada a outro. Tem tudo para dar errado, a menos que ambos mudem de atitude.

Comentários:

- Dois personagens inflexíveis por causa de seus respectivos passados, forçados a conviver por causa das circunstâncias que os reuniram. Lucien está em uma jornada de vingança por uma traição que arruinou a vida como ele conhecia quando era adolescente. A etapa mais importante foi vencida: ele reconquistou Thalsbury do homem que havia conspirado para causar a morte do pai dele e o envio dele para o exílio como escravo. O problema era que o feudo vinha com uma viúva, relutante, que não reconhecia o lugar dela – de ficar calada à espera do que ele decidiria sobre o destino.

- Alayna tinha sido enganada para um casamento, escapou da consumação por ações humanas inspiradas por uma intervenção divina. E agora, com o “marido” morto, ela achou que conseguiria voltar para Londres, onde a mãe desfrutava de uma posição social que concediam a ambas alguns privilégios. Só que o novo lorde não queria libertá-la por achar que poderia usá-la na negociação política para a manutenção do feudo que tanto queria.

- Só que Lucien é um ogro, um grosso, um bárbaro, acostumado a ser obedecido e a dizer o que quer – e não admitir ponto de vista em contrário. Alayna foi mimada, protegida e está acostumada a não ter este tratamento. Descontando a falta de refinamento de um em comparação com o outro, ambos são extremamente parecidos: orgulhosos, teimosos e interessados em ter o mundo conforme o seu pensamento. Claro que Alayna leva desvantagem porque as mulheres eram vistas como posses e bens, dispostos ao bel-prazer dos homens poderosos.

- Já viu que será um longo caminho para Alayna perceber que há algo em Lucien digno de ser amado. E para Lucien desarmar os preconceitos que motivaram e guiaram a jornada de vingança e aceitar que é digno de amor e que encontrou uma mulher que percebeu isso. Só que ambos vão dar muitas cabeçadas nesta jornada, prepare-se. Agravadas pelas traições e dificuldades de um ambiente instável e de disputa por poder e prestígio. Vão haver momentos que quem lê quer esganar um, dar paulada na cuca de outro para ver se os neurônios de ambos voltam a funcionar. Mas o amor vence. Inclusive a teimosia dos amantes.

- Links: Goodreads livro (faz parte de uma série chamada March Madness - explicações no Romances in Pink) e autora.

Bacci!!!

Beta

ps.: Só para adiantar que, em 2015, não teremos Maratona Feliz Desaniversário. O motivo é que ando com muita coisa para fazer na vida off-blog e na vida de blogueira estou concentrada no Abril Imperdível ;)