sábado, fevereiro 25, 2017

Ciao!


Bom carnaval a quem é de folia!
Boa folga a quem é de descanso!

E bom trabalho a quem - como eu - é de plantão!

Engraçado, ao pensar neste livro, agora que parei para escrever sobre ele me lembrei de um trecho de uma das minhas músicas favoritas da Legião.
“Tente me obrigar a fazer o que não quero/ E ‘cê vai ver o que acontece./ Acho que entendo o que você quis me dizer/ Mas existem outras coisas”
Pena que Raul precisou penar para entender que todo mundo tem limite e que ações trazem consequências.

Princesa Selvagem – Annie West - Harlequin Jessica 2 Histórias 238 (Escândalo & Sucesso)
(Prince of Scandal – 2011 – Mills & Boom Modern Romance)
Personagens: princesa Luisa Hardwicke e príncipe Raul de Maritz

Para finalmente assumir o trono de Maritz, o príncipe Raul precisava se casar. E infelizmente, a noiva, decidida por contrato, tinha que ser a herdeira do trono de Ardissia. Luisa era a neta renegada da filha renegada de um rei que só se importava com o poder. Trabalhava como responsável por uma cooperativa de fazendeiros no interior da Austrália e não tinha o menor interesse na linhagem materna. Até o dia em que este príncipe desceu de helicóptero na sua fazenda e a coagiu a aceitar a herança, que não queria, o casamento que não desejava e uma vida que não a interessava. Ele tinha certeza de que conseguiria lidar com quaisquer consequências pelo bem de Maritz. Inclusive de ter uma esposa infeliz.

Comentários:

- Sabe aquela máxima de governante que se sacrifica pelo povo, custe o que custar. Então, o príncipe Raul é assim. Sabendo a confusão que os anos finais do reinado de seu pai tinha causado em Maritz, principado europeu perto dos Alpes, ele estava certo de que qualquer medida era válida para garantir a serenidade ao povo e acalmar os problemas locais. Para isso, foi atrás da herdeira desconhecida, se surpreendeu por ela não ser o que esperava e teve que agir para cumprir a missão de levá-la para assumir a herança e cumprir o contrato de casamento pelo bem de Maritz.

- Luisa não tinha o menor interesse em voltar a Ardissia e a Maritz. Já esteve lá, percebeu como eram pessoas ligadas em aparências e conchavos políticos. Preferia a vida de amor e afeto junto aos pais na Austrália. Agora, sem eles, se desdobrava para continuar o trabalho iniciado pelo pai com a cooperativa e a pagar as dívidas. Até que príncipe Raul invadiu sua vida, a coagiu a aceitar uma herança – e um casamento de conveniência por tabela – para salvar a vida que ela amava.

- Luisa tinha certeza de que tudo daria errado. Ela não era princesa. Ela era uma trabalhadora. Não tinha glamour, nem interesse no que vinha do avô, muito menos ciência do protocolo. Tinha certeza de que não pertencia àquele lugar e se esforçou para não comprometer. Justamente por isso, pareceu tão interessante aos olhos de Raul. Apesar de uma leve desconfiança (causada por fantasmas do passado), ele estava (quase) convencido de que ela era verdadeira e por observá-la o tempo todo passou a perceber quanto ela se esforçava e o quanto escondia.

- O príncipe que não sabia o que era ser amado e a princesa que não queria ser princesa. Foi uma trama bem escrita, com as sutilezas necessárias a um relacionamento que não começaria se não fosse uma obrigação, que se desenvolve em cima do respeito que ele passa a sentir por ela e vice-versa, das dúvidas pelas consequências das decisões que tomaram pelo bem dos outros e do desejo de ter algo que seja também pelo bem deles mesmos.

Está ligado a outro livro Protected by the Prince, a trama do casal Tamsin e Alaric que aparece aqui.


Bacci!!!

Beta 

quinta-feira, fevereiro 23, 2017

Ciao!!!


Todo mundo sabe que a Flávia Cunha é uma autora parceira do Literatura de Mulherzinha!
Então, não perco a chance de compartilhar as promoções com livros dela. Por isso, anotem aí para não perder as datas.

No sábado de carnaval, antes de colocar o bloco na rua ou se acomodar em casa, não perca a chance de baixar gratuitamente:


Romances em Contos 3 é um livro que reúne autores contando histórias românticas no período natalino. Treze autores reunidos para trazer para você a magia do Natal em lindas histórias de amor!

E ao longo do carnaval, confira os contos que estarão disponíveis - e gratuitos - a partir de sexta-feira!



Um por dia na folia! Anota aí pra garantir o seu!
Estes e outros livros da Flavinha estão disponíveis na Amazon

Bacci!!!

Beta

ps.: Vem aí em março...

terça-feira, fevereiro 21, 2017

Ciao!!!!



Todo mundo que visita o Literatura de Mulherzinha já sabe que eu adoro a Marina Carvalho e os livros que ela escreve. Por isso, diante de duas novidades – A menina dos olhos molhados e o conto Ao gosto do chef, eu enviei algumas perguntas e ela respondeu.

Por isso, espero que vocês gostem da primeira edição do #LdMEntrevista em 2017!

1 - Durante a Bienal em Juiz de Fora, você comentou que gosta de escrever com o narrador masculino. Quero saber se o Bernardo se comportou direitinho ao contar a história (seja o ponto de vista dele sobre o tumultuado relacionamento com a Rafaela ou o que aconteceu com ele antes de conhecê-la) ou deu algum trabalho?
- Eu me diverti tanto escrevendo como o Bernardo que ele quase não me deu trabalho. É certo que, em muitas ocasiões, eu me vi embasbacada com as atitudes dele, com seus pensamentos masculinos um tanto trogloditas. Ainda assim foi uma experiência incrível, libertadora, que quero muito repetir.

2 - Agora que temos os dois pontos de vista na dobradinha Azul da Cor do Mar e A Menina dos Olhos Molhados, o que mais te surpreendeu na jornada de Bê e Rafa?
- O passado do Bernardo se revelando aos poucos me surpreendeu bastante. Claro que eu já sabia como conduziria seus traumas, o que não me impediu de ficar impressionada com o modo como tudo aconteceu e, depois, a maneira do Bernardo de superar os dramas.

3 - Outra curiosidade minha é como você chegou aos casos que Bê e Rafa apuram nos livros? É que alguns até lembram detalhes de casos reais e, outros, infelizmente a gente vê demais por aí atualmente...
- Ah, todos os casos foram extraídos de notícias reais, com uma nova roupagem, é claro. Todos eles me marcaram ao longo dos tempos. Então decidi usá-los como fonte, uma forma de fazer os acontecimentos transitarem além do imaginário dos leitores.

4 - Você lançou O Amor nos Tempos do Ouro e A Menina dos Olhos Molhados. Quais as semelhanças e diferenças no processo que resultou nestes dois trabalhos tão distintos? Um exigiu mais que o outro ou o nível de exigência foi o mesmo dentro das características de cada um?
- Foram dois projetos muito diferentes, mas ambos desafiadores. O romance histórico
exigiu de mim uma pesquisa aprofundada sobre a época e a linguagem empregada pelos residentes no Brasil Colônia. Evitar anacronismos passou a ser um objetivo de primeira linha, e isso emperra um pouco o processo, o que não ocorre quando escrevo histórias contemporâneas. Já em A menina dos olhos molhados, esbarrei na reescrita de um romance que já existia. Como fazê-lo interessante depois de ter contato a história em outra ocasião?

5 - O que você pode contar sobre o processo de escrever o conto Ao gosto do chef? Houve algo que foi inesperado na história de Fernanda e João Marcelo? E como tem sido as primeiras respostas que você recebeu de quem já leu?
- Menina, eu me considero uma louca de jogar pedra! Decidi escrever o conto quando ainda me dedicava arduamente à continuação de O amor nos tempos do ouro. Acho que nunca passei tanto aperto na vida enquanto escritora. O conto foi elaborado em praticamente uma única semana, numa produção intensa e muito estressante. Tive medo de não dar tempo e, consequentemente, de não ser um texto digno dos meus leitores. Mas estou muito contente com o resultado dele. Todo mundo tem gostado e me estimulado a evoluir para um romance a história do chef JM e da executiva Fernanda, dois fofos que amo.

6 - E o que está na sua lista para 2017 junto com a próxima parte de O Amor nos Tempos do Ouro?  
- Pretendo escrever outros contos na Amazon e logo começarei a esboçar um novo capítulo da vida de Bernardo e Rafaela, agora combinado com outros dois personagens que aparecem em outra história minha: Carolina e Pedro, de Ela é uma fera.

7 - Para encerrar, por favor, deixe uma mensagem para todo mundo que visita o Literatura de Mulherzinha!
- Deixo aqui meu abraço a todos os leitores do blog. Obrigada, galera!

Leia mais sobre Marina Carvalho no Literatura de Mulherzinha.

Bacci!!!

Beta

domingo, fevereiro 19, 2017

Ciao!!!

O projeto LitGirlsBr lançou em 2016 uma antologia, com contos escritos por nove autoras brasileiras, com temas e estilos diversos. Uma ótima chance para reencontros – já li duas das autoras – e conhecer gente nova. Vamos lá? Optei por falar um pouquinho de cada conto e um breve – mesmo – comentário. As histórias são curtinhas, dar muito detalhe acaba abrindo a porta para falar demais.

*** Texto originalmente escrito pro Livrólogos, que a Rosana gentilmente permitiu que fosse publicado no Literatura de Mulherzinha. Obrigada, Rô! ***

O Livro Delas: Nove Romances – Renata Frade (org) – Fábrica 231
(2016)

Ao anoitecer, Bianca Carvalho
Três jovens que nunca se viram descobrem que estão com os caminhos unidos, embora sem ainda entenderem como ou por quê. Daniela e Allen partem na investigação que pode levá-los ao que houve com Pâmela e a colocar ambos em risco.
No início, confesso que fiquei meio “hein?” até que engrenei na história. A autora manteve o suspense e nos força a montar o quebra-cabeças destes personagens que passaram por coisas ruins e querem reconstruir a própria vida.

Os 6 piores dias da minha vida, Carolina Estrella
Mãe e filha presas em uma rotina de violência doméstica finalmente saem de casa e se refugiam na fazenda dos avós maternos. Finalmente Alana poderia ter uma vida saudável e normal. No entanto, seria necessário dar um basta definitivo a esta situação.
Um relato de algo que, lamentavelmente, ocorre muito por aí e de como deixar para trás. No entanto, a história é leve pela atuação de uma narradora divertida, que comenta, dá pitacos e até bronca nestes “leitores que querem saber demais”.

Era amor, Chris Melo
Um flagrante. O fim do casamento. Marcela foi orientada pelo terapeuta a fazer um diário, algo que ela começa totalmente a contragosto. Acompanhamos o processo de ela se reconstruir, se reavaliar e descobrir que a vida continua e que ela pode comandar o próprio destino.
Achei que o formato de diário funcionou muito bem. Permitiu o nosso olhar aprofundado sobre como não é fácil dar a volta por cima. Afinal de contas, não bastam os outros falarem. Marcela só sairia do fundo do poço quando vestisse a camisa do processo de recuperação.

Por acaso, Fernanda Belém
Uma carta que não chegou ao destinatário inicial foi o ponto de partida da amizade entre duas pessoas que nunca se viram. Depois de uma relação construída via cartas, e-mails e telefonemas, será que André e Samantha conseguiriam lidar com a realidade ou ambos perderiam a “magia” um para o outro?
Aqui temos dois pontos de vista, através da troca de correspondência entre os personagens. É divertido imaginar suas ações e reações e ler logo em seguida o que eles decidem fazer. E ainda ganhou pontos comigo por citar um filme que adoro!  

Eu vou te esperar, Fernanda França
Fred sofre por ser uma pessoa que sente, em um mundo desprovido de amor. Até o dia em que, durante um passeio, encontra um anel com um símbolo, que ele conhece das cartas que herdou do bisavô. A partir daí inicia uma busca pela chance de encontrar alguém que o entendesse. Alguém que também sentisse.
Que história linda! Não sou a maior fã de distopias (está entre os estilos com os quais tenho dificuldade), mas esta trama centrada nos personagens e no conflito íntimo deles com a realidade que os cerca, instigou a minha curiosidade e me prendeu até o final.

Baile de formatura, Graciela Mayrink
Era para ter sido a colação de grau perfeito, mas tudo escapou do controle de Amália, que estava frustrada. No entanto, o baile poderia trazer surpresas não só para Amália, mas também para os outros quatro formandos, diante do fato de que agora começariam uma nova uma fase da vida.
Quem já passou por isso, sabe o que é a crise “formei. E agora?!”: é quando cai a ficha de que estamos por conta própria, ou se preferir, hora de virar “adulto”. Neste caso, fiquei MUITO CURIOSA sobre o que acontecerá em seguida na vida deles...

Dez anos, Leila Rego
Tainá, Rebecca, Lurdinha e Marli fizeram uma promessa no dia da formatura: voltar a Foz do Iguaçu para celebrar a conquista e a amizade delas a cada dez anos. E elas cumprem a promessa e podemos acompanhar como o tempo faz diferença nas vidas e escolhas do quarteto.
O conto conseguiu sintetizar uma história repleta de emoções: da euforia, decepções e descobertas na época da formatura e dos encontros e desencontros ainda impactavam anos depois. Foi bem legal ver que a vida nem sempre segue o que planejamos e que, em alguns casos, isso é bom.

A voz do coração, Lu Piras
Iris é uma jovem que foi adotada pelos moradores de uma vila ao ficar órfã. Agora adulta, tenta dar um rumo na vida. E pode ser que Nicolas, o neto de uma das suas vizinhas-avós tenha uma participação nesta nova fase. Ele não teria nenhuma resistência em ouvir a voz do coração sobre este assunto.
Que fofo, que meigo, que lindo, que gracinha, que bonitinha a história de encontros e desencontros entre Íris e Nicolas. E como a música costura a aproximação e a relação deles. Uma delícia de ler e de se imaginar nas cenas.

Paraíso Morto, Tammy Luciano
Lua tinha certeza de que estava com os dias contados. Foi quando encontrou Sol. Agora perseguidos e presos em uma boate em uma ilha em Angra dos Reis, eles tinham que descobrir como lidar com tudo que aconteceu com eles.
Foi o conto que menos gostei. Não por falta habilidade da autora – pelo contrário, ela escreve muito bem. No entanto, como vim de um ano que não teve momentos fáceis, estou desesperadamente correndo atrás de histórias alegres e felizes. Então, perdoem o clichê, mas o problema aqui foi comigo.

***

Como só havia lido livros da Fernanda França e da Graciela Mayrink, foi uma ótima chance para ter um gostinho e conhecer o estilo das outras sete autoras. Já foram para minha lista de para pesquisar e procurar outros livros. Se bem que basta sair com #MadreHooligan, que é a “localizadora de autoras/autores nacionais” oficial do Literatura de Mulherzinha, pra resolver o assunto!

E foi uma excelente ideia reunir todas em um projeto, que serve como uma forma de mostrar o trabalho de todas para os leitores, para o mercado e reafirmar que vieram para ficar. O livro é Delas, mas todos e todas nós ganhamos.


Bacci!!!

Beta

sábado, fevereiro 18, 2017

Ciao!!!



Confesso que não tinha prestado atenção nesta história quando foi lançada. Li no embalo da história anterior, da Kelly Hunter. Se soubesse, teria furado a fila. A receita – com vários elementos de que gosto – funcionou muito bem.

Corrida de Emoções – Victoria Parker – Jessica 2 Histórias 271 (Extremos do Amor)
(The woman sent to tame him – 2014 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: Serena Scott e Finn St. George

O indomável piloto Finn St. George, o playboy, o homem mais lindo do mundo estava totalmente fora de controle. E a missão da engenheira Serena Scott era colocar um freio nele antes que o prejuízo deixasse de ser, novamente, apenas material e financeiro. Consumido por uma gama de sentimentos confusos e complexos, Finn deixou de ver sentido na vida. Ao ser confrontado pela filha do chefe, que declaradamente não ia com a cara dele, ele soube que não podia mais fugir de tudo que o assombrava, especialmente a morte do irmão dela.

Comentários:

When you try your best but you don't succeed
When you get what you want but not what you need
When you feel so tired but you can't sleep
Stuck in reverse

And the tears come streaming down your face
When you lose something you can't replace
When you love someone but it goes to waste
could it be worse?

- A temporada da F1 do Troféu Mundial está em andamento e o campeão Finn St. George está colocando tudo a perder. E Serena é a última alternativa para descascar o abacaxi, a pedido ordem do pai dela, o dono da equipe onde Finn é o principal piloto. O problema: ela não ia com a cara dele porque o culpava pela morte do companheiro de equipe, Tom, que era o irmão dela. Por isso, ela foi a opção para colocar freios nele e em um momento de imprudência anunciou que era a nova chefe e que estava ali para resolver o problema que ele se tornou.

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try to fix you

And high up above or down below
When you're too in love to let it go
But if you never try you'll never know
Just what you're worth

- Finn realmente estava em uma vibe sem limite e sem freio. Assombrado pela verdadeira causa da morte de Tom, que poucos sabiam. Por isso, a temporada ruim, o prejuízo para a equipe e a péssima classificação para a largada na prova em Mônaco, pista conhecida pelas quase inexistência de opção de ultrapassagem. Não era de surpreender que fosse feita alguma coisa. Ele só não imaginava que a solução seria a enfurecida "menina Seraphina" (nome que ela detesta – e que confesso que não entendi se era o nome dela mesmo ou um apelido que ele deu para irritá-la).

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try to fix you
Tears stream down your face
When you lose something you cannot replace
Tears stream down your face
And I

Tears stream down your face
I promise you I will learn from my mistakes
Tears stream down your face
And I

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try to fix you

- A garota criada no ambiente masculino e machista do automobilismo também enfrenta seus fantasmas e eles vão além da perda traumática do irmão. Só conhecia esta vida e queria prosperar no meio. O carro que ela planejara e desenvolvera tinha tudo para garantir a hegemonia da equipe nos próximos anos, desde que, fosse conduzido por um piloto talentoso, habilidoso e confiável. E Finn estava instável, imprudente, um perigo para si mesmo.

- Ao serem forçados a conviver “pelo bem maior”, eles vão despertar o pior um no outro. Mas também vão perceber aquilo que não pretendiam revelar a ninguém. Afinal de contas, há uma preocupação genuína entre eles. E a culpa que sentem pela morte de Tom reforça os laços. Justamente por serem imperfeitos é que se tornam quem melhor compreende o outro, o que ajuda na hora de enfrentar o trauma, já que ficou claro ignorar não estava dando certo. 

- Para chegar ao final feliz, ambos precisarão se desarmar de seus medos, receios e angústias. Realmente não esperava o que encontrei aqui, especialmente nas entrelinhas da relação confusa e doída entre Serena e Finn e me surpreendi positivamente. Agora terei que procurar o livro da irmã de Finn, que ocorre antes e é citada aqui.

Dueto St. George
Uma reputação a zelar – Eva St. George e Dante Vitale – Jessica 2 Histórias 221 (Poder & Desejo)
Corrida de Emoções – Serena Scott e Finn St. George – Jessica 2 Histórias 271 (Extremos do Amor)

- Links: Goodreads livro, dueto  e autora; Skoob.

Bacci!!!

Beta