quarta-feira, março 22, 2017

Ciao!!!


O aviso de lançamento vem da Faro Editorial.
Três contos sobre a minha segunda estação favorita no ano.
(Sou uma criança da primavera, então já viram, né?)
Conheçam um pouco mais sobre O verão em que tudo mudou.



A vida às vezes guarda inúmeras surpresas. E, sem avisar, ela muda de direção.

Na hora você não entende, já que “tudo parecia estar bem”. Então percebe que havia sinais…. um sentimento, uma lembrança, um fato que parecia bobo, mas não era… É quando a gente entende que todo o caminho estava errado, que nada fazia muito sentido. Pelo menos, pra você…
Fred sente-se absolutamente comum diante de um mundo com tanta gente especial.
Lavínia, ao alcançar aquilo que parecia um sonho, algo pelo qual tanto lutou, descobre que a nova conquista nunca foi realmente um desejo seu.
E Sol, sem perceber, vive sempre à espreita, desconfiada, em constante alerta, tentando controlar tudo ao redor, na esperança de não se ferir novamente…
Mas que controle podemos ter diante de tudo? Três jovens, de cidades distantes, com diferentes realidades, descobrindo o mundo a partir de suas próprias escolhas: complexo, difícil, libertador.
Três histórias que se cruzam, no exato momento em que se coloca, diante de cada uma delas, uma exigência capaz de definir algo para o resto de suas vidas. O tempo parece que voa quando se é jovem. Há um mundo de coisas acontecendo e a sensação é de que é preciso correr.
Mas o que é melhor? Ficar num porto seguro? Guiar-se pelo cérebro ou pelo coração?
Independentemente das escolhas, há uma hora meio mágica, meio fatal na vida, que todos precisamos encarar. E este é o momento, a estação, O verão em que tudo mudou.

O trio que escreveu o livro:


Gabriela Freitas escreve compulsivamente, por necessidade, como se fosse por prescrição médica. Virginiana desajeitada, com ascendente em “cabeça nas nuvens”, é um misto de tudo o que escreve (e do que não consegue dizer em palavras). Paulistana apaixonada por São Paulo, margaridas, noites estreladas, café amargo e histórias de amor (bem doces, por favor).

Thaís Wandrofski é apaixonada pelas coisas simples da vida e gosta de perceber pequenos detalhes que mais ninguém vê. Ama livros, nuvens, delineador, números ímpares, gatos, fotografia, e ainda espera a sua carta de Hogwarts.

Vinícius Grossos tem 23 anos, ama desenhos animados, comida italiana e café. Para ele, os melhores dias de verão são os chuvosos. Verão ensolarado só na praia, onde gosta de imaginar que é um tritão. Estuda Jornalismo, mas prefere mesmo é o mundo da ficção. É autor de O Garoto Quase Atropelado e co-autor de 1+1 – A Matemática do Amor, publicados pela Faro Editorial.

Saibam mais na página da Faro Editorial.
Quem comprar apenas na pré-venda na Saraivavai ganhar os seis cards com quotes dos contos do livro.



Bacci!!!

Beta

domingo, março 19, 2017

Ciao!!!





Chegamos ao meu livro favorito da série. O festival do “mais mais”.
Onde temos o casal mais incompatível. 
A heroína mais inconformada. 
O herói mais sarcástico. 
E o vilão mais encapetado.
Ah, o detalhe de ter o azul predominante na capa. Perfeito!

A soma de todos os beijos – Julia Quinn – Editora Arqueiro (Quarteto Smythe-Smith 3)
(The sum of all kisses – 2013 – HarperCollins)
Personagens: Sarah Plainsworth e Hugh Prentice

Hugh tinha sobrevivido ao duelo com Daniel, mas mancava por causa do ferimento e de um osso mal consolidado na coxa esquerda. Graças a uma chantagem absurda com o próprio pai, garantiu o retorno dele à Inglaterra. E agora, tinha que comparecer a dois casamentos na família Smythe-Smith. Para não ficar deslocado, Honoria, a noiva radiante, incumbiu a prima Sarah de ser acompanhante de Hugh. E mal sabia que ela tinha vontade de torcer o pescoço dele, por tê-la condenado ao castigo dos recitais familiares. Só que os dois juntos não imaginavam a capacidade de se tornarem explosivos, a tal ponto de correrem risco tentando proteger o outro.

Comentários:

– Não tem consciência? – sibilou.
E finalmente ele perdeu o controle. Sem pensar na sua perna, deu um passo adiante até ficarem juntos o suficiente para ela sentir o calor de sua respiração. Encostou-a na parede, prendendo-a com nada além de sua furiosa presença.
– Não me conhece – esbravejou. – Não sabe o que penso ou sinto, ou o inferno por que passo todos os dias da minha vida. E, da próxima vez que se sentir tão prejudicada, a senhorita, que nem mesmo carrega o sobrenome de lorde Winstead, deveria se lembrar de que uma das vidas que arruinei foi a minha própria.
E então se afastou.
– Boa noite – cumprimentou, animado como um dia de verão.
Por um momento achou que finalmente tinham acabado, mas então ela disse a única coisa que poderia
redimi-la.
– Eles são minha família.
Hugh fechou os olhos.
– Eles são minha família – repetiu ela com a voz embargada. – E o senhor os levou ao desespero.
Nunca irei perdoá-lo por isso.
– Eu... – murmurou ele, apenas para si mesmo – também não.

- Hugh e Sarah não foram feitos um para o outro. Ela é da família que foi atingida e injustiçada pelo destempero dele em uma noite de valentia regada à álcool e se sentia culpado por não ter parado a tempo. Agora que tudo estava de volta como quase deveria ter sido, Hugh só se preocupava em controlar o marquês de Ramsgate, que passaria por cima de tudo e de todos para garantir que tudo fosse conforme os desejos dele. Aí começa uma febre de casamentos Smythe-Smith e Hugh se vê arrastado para as cerimônias e a primeira seria o casamento de Honoria e Marcus, em Fensmore, para provar para a sociedade que o “problema” entre eles tinha sido superado. E justamente a noiva radiante o escolheu para ocupar o lugar de um primo ausente, porque o parente possível não se dava bem com Sarah. O problema era que ele também não.

- Lady Sarah Pleinsworth precisava se casar ou iria morrer – palavras da própria. Para nunca mais tocar piano no recital das Smythe-Smiths. A prima Iris ainda jogava na cara dela o papelão do recital de 1824. O problema é que não está fácil casar. Ela tem certeza de que perdeu a melhor safra de solteiros por causa do escândalo que atingiu a família. Nem a boa sorte e os iminentes casamentos dos primos Honória e Daniel a inspirava a melhorar o humor. Para piorar, Honoria a incumbe de fazer companhia a Hugh Prentice. Ela não o suporta e deixa isso bem claro. E demora a compreender o motivo extra – porque ela deixa claro que não foi apenas pelo que houve com o primo Daniel.

- Gente, eu ri muito com os dois. O motivo de Sarah pode nos soar estapafúrdio, mas é sincero e doído para ela. E a gente compreende. Ela está se sentindo pressionada, frustrada, irritada. Não com a felicidade dos primos, mas porque não consegue também a sua cota e porque teria que se apresentar no recital (podem crer, Sarah e Iris disputam milímetro a milímetro quem odeia mais a tradição familiar). Ao ser forçada a engolir um brejo inteiro como acompanhante de Hugh, ela faz questão de deixar isso bem claro. E se irrita porque ele não se mostra nem um pouco arrependido da afronta que cometeu contra a vida dela.

- Herdeiro reticente, Hugh sabia que não podia se casar, enquanto o pai tivesse vivo, como parte da batalha entre o marquês e os filhos. E a dramática e exagerada Sarah era uma das pessoas que ele evitava, para não ser tão flagrantemente desprezado. Forçados a conviver, começam a ver além das primeiras impressões. E mesmo sendo uma jovem que usava muitos advérbios e pontos de exclamação, descobriu afinidades com ela. Apesar de ele sempre ter sido uma pessoa solitária e calada, que conseguia enxergar melhor o mundo através da memória e da habilidade matemática, ela finalmente conseguiu perceber o que havia por trás da fachada sarcástica com que ele se mostrava ao mundo.

- Hugh é meu herói favorito na série Smythe-Smith e vocês não imaginam o tamanho do esforço que estou fazendo para não matracar alegremente sobre os motivos. No entanto, se eu fizer isso, vai ser a festa da uva do spoiler, então só saibam que eu o amo muito e que foi maravilhoso ver os acontecimentos narrados por Marcus e Daniel pelo ponto de vista dele, entender o quanto ele sofreu na infância e adolescência e como chegou até a saída drástica para frear a vingança do marquês. Adoro o senso de humor sarcástico que aparecia nas horas mais impróprias e consegui enxergar mais rápido que Sarah (mas só porque ela estava determinada a brigar com ele pelas 24 horas dos sete dias da semana) o quanto vulnerável e excluído do direito de ser feliz ele se sentia. E gostei de que Sarah também percebeu isso e viu que valia a pena lutar por ele, contra tudo, contra todos e contra ele, incluído.

- As irmãs de Sarah estão de volta a todo vapor. Harriet quer escrever uma peça sobre uma heroína nem muito rosa nem muito verde e encontrou inspiração para um herói taciturno. Elizabeth só observa e Frances ainda está atrás dos unicórnios. Honoria acha que está enganando alguém sobre a tentativa de ser cupido para a prima. Iris está sofrendo horrores por ter que se apresentar no Quarteto. E, pelo amor de todos os santos, será que ninguém vai enquadrar a Daisy sobre a realidade da ausência de talento dela? Ô criatura irritante! Falando em gente chata, lá vem Daniel vem ser o estraga-prazeres ao enfiar a colher de pau em algo que prometia ir por um bom caminho e acaba desencadeando o desfecho aventureiro, inesperado e que se torna um jogo para ver quem é o mais inteligente para derrotar o inimigo.

- Ah, se preparem para odiar este inimigo. Ele merece. Aliás, eu poderia fazer uma longa lista de coisas que o vilão do livro merecia, mas como tudo terminaria em spoilers, vou ter que me conter. Mas quando vocês estiverem lendo, pensem em uma blogueira escorpiana irada e vão ter ideia de tudo que eu queria que acontecesse com a criatura.

- Comentário nada a ver do dia, mas vocês também se imaginam lendo algum dia as aventuras de Miss Butterworth e o Barão Louco? De tanto que as peripécias da heroína são citadas nos livros eu bem que queria ler. Mas a Julia já avisou que não vai escrever.

- No próximo domingo, será a vez da última história, a de Iris. A outra jovem Smythe-Smith que também detestava o Quarteto com todas as forças - embora fosse a única que tinha realmente talento musical.

Quarteto Smythe-Smith
Simplesmente o Paraíso – Just like heaven  Honoria Smythe-Smith e Marcus Holroyd
Uma noite como esta  – A night like this  Anne Wynter e Daniel Smythe-Smith
A soma de todos os beijos – The sum of all kisses – Sarah Plainsworth e Hugh Prentice
Os mistérios de Sir Richard – The secret of Sir Richard Kenworth – Iris Smythe-Smith e Sir Richard Kenworth.


Bacci!!!


Beta

sábado, março 18, 2017

Ciao!!!


Muda o casal, muda o irmão, mas sofre do mesmo problema do outro: a sensação de que há algo faltando na trama? Então, vou falar um pouquinho sobre isso...

Os irmãos De Angelis: Mar de Volúpia – Cathy Williams – Paixão Especial 2 Histórias 1
(The Surprising De Angelis Baby - 2015)
Personagens: Delilah Scott e Daniel De Angelis

Daniel embarcou em um navio cruzeiro em Santorini para ser um infiltrado e observar as falhas do empreendimento. Ele queria comprar o navio, sabia da crise dos proprietários e queria, como cliente, saber com quem poderia contar e o que precisava ser feito. Só não contava em se envolver com a professora do curso de artes do cruzeiro e nem que ela o reprovasse quando descobriu quem ele era na verdade. E muito menos que reaparecesse na sua vida com uma notícia inesperada que poderia ser a chance que ele queria para, desta vez, fazer tudo certo.

Comentários:

- Assim como a história de Alexa e Theo, o livro fica preso em um limbo entre a ideia, o que poderia ter sido e o que foi apresentado. Pelo titulo original e pelo resumo, já podemos prever o roteiro: homem muito rico e descrente do amor sem interesses vai se envolver com uma das funcionárias do navio de cruzeiro onde ele está em missão de “espionagem”/“sondagem” / “observação”, como preferir. Haverá sedução, haverá entrega e haverá um bebê a bordo.

- Daniel teve um relacionamento traumático que o tornou descrente do amor verdadeiro sem interesse nos milhões que estão na conta bancária dele. Por isso, a atração e o interesse por Delilah trouxe uma novidade: ela estava reticente em ter qualquer coisa com ele e tentou evitar o quanto pode. Afinal de contas, também tinha saído de um relacionamento traumático e aceitou o emprego temporário como uma forma de se afastar da cidade natal (e das lembranças). Apesar da cobrança da irmã para que voltasse logo para ajudá-la na loja da família, de onde as duas tiravam o sustento.

- Aí, temos o óbvio. Ele se sente atraído porque ela destoa de tudo que ele está acostumado. Ela se sente atraída porque ele é lindo e ela não é de ferro. Vocês podem imaginar o que ocorre. Depois disso, ele revela quem é de verdade, ela surta por ter se envolvido com outro mentiroso, por ter sido usada no plano dele de espionar e se sente ofendida porque tudo que ele diz soa como “a emenda é pior que o soneto”.

- Parece ser o fim até eles serem obrigados a se reencontrar. As ideias pré-concebidas de Daniel vão por água abaixo e ele se vê obrigado a ter que conquistar a confiança de uma mulher, que escondia de todos o relacionamento rápido, “de verão”, “casinho”, que tiveram. Situação fica confusa, porque ambos estão confusos e um quer ditar normas para o outro – um consegue se impor. Até o happy end obrigatório e abrupto.

- A sensação que tenho é de que houve algum descompasso entre projeto e produto final. A transição dos problemas a serem resolvidos e esclarecidos entre eles para o “eu te amo” é tão brusca que eu voltei a página e fui olhar se havia pulado alguma coisa.

- No fim das contas, a sensação é de que ficou faltando alguma coisa na série dos irmãos De Angelis.

The Italian Titans (Os irmãos De Angelis)

Aliança da Paixão Wearing the De Angelis ring – Alexa Caldini e Theo De Angelis
Mar de VolúpiaThe Surprising De Angelis baby - Delilah Scott e Daniel De Angelis


Bacci!!!

Beta

quarta-feira, março 15, 2017

Ciao!!!


Pense em uma situação muito confusa, que cada vez que mexe, não melhora.
É o motivo que muda a vida de Lauren e Paolo. E a tendência é piorar, lamento informar.
Para quem gosta de livros com drama, este é uma boa indicação.

Prova de Pecado – Dani Collins – Paixão 387 (Consequências de uma noite 1/3)
(Proof of their sin – 2013 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: Lauren Bradley e Paolo Donatelli

Lauren era a viúva de um herói da nação, Ryan, que era o melhor amigo de Paolo. No entanto, desde o casamento, os dois amigos não eram mais tão próximos. Quando Ryan desapareceu em combate, Lauren recorreu a Paolo para descobrir o que aconteceu. A descoberta da morte os uniu e as consequências os separá-los, mas faria com que eles se reencontrassem. Paolo não estava esperando rever Lauren, ainda mais durante uma festa familiar. E nem receber a notícia que ela tinha para dar. Só que os dois eram adultos e precisavam lidar com o bebê que estava a caminho.

Comentários:

- Não ceda a tentação de jogar pedras nos participantes de um triângulo amoroso baseado no ciúme, na inveja, em mentiras e na competitividade. Sim, não é o melhor ambiente para nascer o amor, mas é totalmente favorável para acabar com ele.

- Em uma noite atípica, Lauren saiu com a prima e foi até um bar, onde conheceu dois homens igualmente lindos e igualmente atraentes. Paolo, futuro banqueiro, então playboy, estava noivo. O amigo dele, Ryan, solteiro, era militar. Nesta noite, Lauren e Ryan começaram a se relacionar. E nesta noite, Paolo se descobriu apaixonado por ela.

- Este é o ponto de partida, mas se prepare porque a trama não vai direto ao ponto explicando todo o emaranhado de encontros e desencontros entre estes três. Começa anunciando que Lauren estava disposta a deixar a vida de casada para trás, embora fosse reconhecida como a viúva do herói nacional. Queria mais que ser a esposa perfeita de um militar sacrificado em combate pelo ideal da nação. E estava pronta para “invadir” uma festa da família Donatelli, porque tinha um aviso ao herdeiro Paolo: estava grávida e o filho era dele.

- Paolo tem motivos de sobra para não acreditar nas mulheres, nas mulheres que dizem estar grávida deles e em Lauren especificamente. No entanto, embora não admita, lá no fundo, ele sabe que existe a chance. Sabe que mesmo que não seja dele (como teimosamente suspeita), será arrastado pelo escândalo de ter engravidado a viúva do herói nacional tão logo o amigo morreu. No entanto, só ele sabe o quanto Ryan era competitivo e gostava de ganhar tudo. Ao perceber o interesse dele em Lauren, Ryan partiu para o ataque e venceu, levando a mulher que percebeu que o amigo queria para o altar.

- Mais um daqueles casos onde “a verdade libertará”. Só que nem sempre a verdade é fofa. Às vezes, ela é complicada. Às vezes, ela é feia. Às vezes, ela revela o quanto somos imperfeitos e o nosso pior. É este caso. Paolo não sabe o que ocorreu no casamento de Lauren e Ryan. Lauren não tem ideia das decepções que Paolo sentiu. O que um sabe é que sempre esteve atraído pelo outro. No entanto, todo mundo sabe que um bebê não resolve os problemas magicamente. Lauren e Ryan têm muito a superar para finalmente serem felizes. Um bom livro, de pessoas imperfeitas, marcadas por escolhas ruins e por mais uma chance de conseguir fazer dar certo, se tiverem coragem de tirar e exorcizar os esqueletos do armário.

Série Consequências de uma noite (One night with consequences)

1. Prova de pecado – Proof of their sin – Dani Collins – Lauren Bradley e Paolo Donatelli (Paixão 387)
2. Acordo com benefícios - A deal with benefits – Susanna Carr – Ashley Jones e Sebastian Cruz (Paixão 389)
3. Um segredo até agora – A secret until now - Kim Lawrence - Angel Urquart e Alex Arlov (Paixão 391)
4. Pedido Inesperado - Dante’s unexpected legacy – Catherine George – Rose Palmer e Dante Fortinari (em Hora da Verdade, Jessica 2 Histórias 237)
5. Damaso claims his heir – Annie West – princesa Marisa e Damaso Pires
6. Nine months to redeem him – Jennie Lucas – Diana e Edward St. Cyr (tem ligação com esse livro, lançado como Carta na Manga)
7. Prince Nadir’s secret heir – Michelle Conder – Imogen Reid e Prince Nadir de Bakaan
8. Carrying the Greek’s heir – Sharon Kendrick – Ellie Brooks e Alex Sarantos
9. Bound by billionaire's baby - Cathy Williams - Susie Sadler e Sergio Burzi
10. Married for Amari's heir - Maisey Yates - Charity Wyatt e Rocco Amari
11. Her nine month confession - Kim Lawrence - Lily Gray e Benedict Warrender
12. From one night to wife - Rachael Thomas - Serena James e Nikos Petrakis
13. An Heir fit for a King - Abby Green - Leila Verughese e Alix Saint Croix
14. Larenzo Christmas' Baby - Kate Hewitt - Emma Leighton e Larenzo Cavelli
15. Ilicit night with the greek - Susannah Carr - Jodie Little e Stergios Antoniou
16. A vow to secure his legacy - Annie West - Imogene Holgate e Thierry Girard 
17. Bound to Tuscan billionaire - Susan Stephans - Cassandra Rich e Marco di Fivizzano


Bacci!!!

Beta

domingo, março 12, 2017

Ciao!!!




  
Dando sequência ao Quarteto Smythe-Smith, chega a vez da enrolada e complicada história entre Anne e Daniel.
E posso antecipar que foi o livro que me trouxe mais dificuldade na série.

Uma noite como esta – Julia Quinn – Editora Arqueiro (Quarteto Smythe-Smith 1)
(A night like this – 2012 – HarperCollins)
Personagens: Anne Wynter e Daniel Smythe-Smith

A última coisa que Anne, governanta da família Pleinsworth, queria era chamar atenção para ela. Portanto, ser arrastada para salvar o recital anual das Smythe-Smith não era uma boa ideia para manter o plano em prática. Agora tinha um conde atrás dela. E algumas ocorrências muito estranhas sempre envolvendo os dois. Daniel Smythe-Smith acreditou que poderia voltar em segurança para a Inglaterra, depois de três anos exilado e fugindo de uma sentença de morte. Ao retornar, se encantou pela governanta de suas primas. E já que era para recomeçar, por que não conhecer melhor a jovem que o encantou?

Comentários:

- Não sei se era o meu humor na época que fiz a leitura (foi pouco antes do carnaval, eu estava trabalhando como uma alucinada, só para vocês terem ideia do quadro geral), mas tive muita dificuldade com este livro. Ainda mais após a overdose de romance – mesmo com os desencontros - de Honoria e Marcus, aqui não consegui embarcar na proposta.

- Tudo começa exatamente após o recital Smythe-Smith de 1824, que é o clímax de Simplesmente o Paraíso. Por isso, este livro começa dialogando diretamente com o primeiro, esclarecendo por que Anne sumiu após o “concerto” (não, não vou dizer porque ela integrou o Quarteto. Vocês terão que ler para descobrir o motivo. Só posso dizer que isso ainda vai render muita cobrança ao longo da série) enquanto o outro explica porque Daniel aparece descomposto e machucado.

- Então, vamos ao problema número 1: Sabe gente que não entende “não” e insiste? Daniel retornou de surpresa do exílio e se encantou ao ver uma jovem que não conhecia entre as integrantes do Quarteto. Este sentimento à primeira vista de Daniel por Anne – Curiosidade? Paixão? – me deixou estressada quando ele começou a ser invasivo demais com uma jovem declaradamente reticente. Se você é governanta de uma família (ainda mais com o histórico de Anne), vai acreditar que o conde está realmente interessado em algo sério? E Daniel não consegue entender isso, como vocês vão perceber. Claro que Anne vai se interessar por ele, superando receios e traumas, mas eu não consegui ficar empolgada pelo casal, como fiquei com Honoria e Marcus. 
- O senhor vai me arruinar. – Nesse momento ela o encarou e Daniel quase se encolheu diante o vazio que viu em seu rosto. – Não será sua intenção, mas é o que irá acontecer, e perderei meu emprego e tudo que me é caro. 
- O problema #2: o suspense de quem estaria por trás dos atentados contra Daniel (o tal fatídico duelo em que ele se envolveu – o tema que costura os três primeiros livros do Quarteto) e as consequências referentes ao passado de Anne (os leitores são informados bem antes de Daniel sobre o que houve que a levou a ser uma governanta). Achei que ficou um pouco arrastado – até porque o desfecho que suspeitava foi o que realmente aconteceu. E se torna um fator agravante porque como é a coluna vertebral da trama, só soluciona perto do final.

- Por outro lado, como ponto positivo, não faltam coadjuvantes no livro, como as três observadoras e palpitantes jovens irmãs Pleinsworths, a aspirante a escritora Harriet, Elizabeth e Frances, a obcecada por unicórnios (confesso que me lembrei muito dela ao ver um monte de gente fantasiada de unicórnio no carnaval). Hugh Prentice (citado em Simplesmente o Paraíso) finalmente aparece de forma muito mais autuante aqui e eu... Enfim, vou deixar pra comentar no próximo livro onde ele será o protagonista. Marcus, mais uma vez, mostrando que é um verdadeiro e leal amigo, por mais que Daniel não seja afeito a ouvir conselhos (como vocês vão perceber no prólogo). A reta final do livro, apesar de tensa, tem interações ótimas no plano que envolve dois condes e o filho de um marquês – já contei que amo diálogos sarcásticos?

Enfim, segunda parte da missão cumprida. Agora posso falar do Hugh?
Aguarde o texto sobre A Soma de Todos os Beijos.

Quarteto Smythe-Smith
Simplesmente o Paraíso Just like heaven  Honoria Smythe-Smith e Marcus Holroyd
Uma noite como esta – A night like this  Anne Wynter e Daniel Smythe-Smith
A soma de todos os beijos – The sum of all kisses – Sarah Plainsworth e Hugh Prentice
Os mistérios de Sir Richard – The secret of Sir Richard Kenworth – Iris Smythe-Smith e Sir Richard Kenworth.


Bacci!!!

Beta

ps.: Hoje é a última chance de encontrar a Julia Quinn no Brasil. Se puder, aproveite!