quarta-feira, fevereiro 10, 2016

Ciao!!!

Sim, habemus alerta sobre a Série dos Senhores do Mundo Subterrâneo!


Vem aí o "O fogo mais sombrio"!

A notícia foi divulgada no Facebook da Harlequin Brasil: 

Olha quem está chegando! Em breve você poderá ler o ebook "O Fogo mais Sombrio" de graça. Quer saber mais? Fique ligado nas nossas redes sociais, logo logo teremos novidades para vocês! Emoticon grin#GenaShowalter #OFogoMaisSombrio

Sabe aquele momento, "preces para o protetor das leitoras apaixonadas jogadas ao vento foram atendidas"? Então, foi exatamente assim que me senti:


De acordo com a autora, é uma história curta e bônus sobre como foi criada a caixa de Pandora e não é uma leitura obrigatória para entender a série e os personagens. Mas funciona como uma prequel.

Geryon is the guardian of hell, more monster than man. Kadence is the goddess of Oppression, more angel than woman. Together they will enter the flames to battle a dangerous horde of demon lords -- and discover a passion unlike any other.


 

Ah, mas você não tem a menor ideia do que estou falando?

Compreensível. A Harlequin Brasil lançou o (até agora) último livro no Brasil - A mentira mais sombria - em JULHO de 2013. Pensa só quanta coisa já aconteceu desde então. Apenas para dar uma dimensão, entre o texto sobre Gideon e o Magnus Chase (publicado nesta Terça de Carnaval) foram 406 posts. QUATROCENTOS E SEIS. 

A série sobrenatural é escrita pela autora Gena Showalter. Os livros contam a jornada de um grupo de guerreiros amaldiçoados após um gesto imprudente e impensado. Cada um deles se torna "hospedeiro" de um demônio que ajudou a libertar.

Passamos a acompanhar a série no momento em que a vida não está fácil para eles, perseguidos por um grupo de humanos dispostos a exterminá-los e usados conforme os desejos e egos dos deuses, começa a acontecer o impensável: um a um, eles se apaixonam. Entre mulheres que precisam ser salvas, ajudadas, convencidas, "controladas" (HAHAHA), confrontadas, eles se vêem diante do amor de suas vidas e que fazem os demônios ronronarem felizes.

Atualmente a série tem 11 livros lançados lá fora. Aqui saíram seis deles - veja um resuminho dos cinco primeiros. Estamos desde JULHO DE 2013 esperando por Amunzinho de Betinha - sim, o tempo não me ensinou a lidar com o fato de não ser a protagonista do livro -, que é o próximo livro a ser lançado em Português.

Série Senhores do Mundo Subterrâneo
0.5. O fogo mais sombrio - The darkest fire – conta como a caixa de Pandora foi criada (é um bônus)
1.  A noite mais sombria – The darkest night - Maddox, guardião de Violência e Ashley Darrow. 
2. O beijo mais sombrio – The darkest kiss - Lucien, guardião de Morte e Anya, deusa da Anarquia. 
3. O prazer mais sombrio – The darkest pleasure - Reyes, guardião de Dor e Danika Ford
The darkest prision – Atlas e Nike (outra história bônus – também publicada no livro Into the dark)
4. O sussurro mais sombrio – The darkest whisper - Sabin, guardião do (chatonildo) Dúvida, com Gwen 
The darkest angel – Lysander e Bianka (publicado na antologia Heart of Darkness)
5. A paixão mais sombria – The darkest passion - Aeron, guardião de Ira, e Olívia.
6. A mentira mais sombria - The darkest lie - Gideon, guardião de Mentiras e Scarlet, guardiã de Pesadelos
7. The darkest secret – Amunzinho, guardião de Segredos (ainda não lançado em Português *chuif*)
8. The darkest surrender – Strider, guardião de Derrota (ainda não lançado em Português)
9. The darkest seduction – Paris, guardião de Luxúria (ainda não lançado em Português)
10. The darkest craving – Kane, guardião de Desastre (ainda não lançado em Português) 
11. The darkest touch - Torin, guardião de Doença (ainda não lançado em Português)
*** The darkest angel - Lysander, anjo, e Bianka, harpia (lançamento lá fora em 1º abril 2016 - não consegui entender se é o mesmo que já foi publicado ou se tem algo diferente)
12. The darkest torment - Baden, guardião de desconfiança 
(lançamento lá fora em 31 de maio 2016)


Na parte de Coming Soon do site da Gena Showalter, tem um recadinho sobre o próximo livro da série

"Note from Gena:  When I sat down to write the next Lords of the Underworld book, I had some hard choices to make. Did I tell Cameo’s story, the Lord readers most wanted, even though I hadn’t set up the final threads for her plot? Did I tell William’s story, a non-Lord but also a reader favorite, even though I hadn’t set up his plot line at all? Or, did I tell Baden’s story, the character the readers knew the least about? In the end, I had to go with the story I was most excited to tell, and the moment, the very second, Baden’s dilemma and heroine came to me, I gasped. I shivered. I paced with anticipation, scenes already rolling through my head. Writing his book became a need, an undeniable passion and it’s my hope that passion shines through every word. Because, you get more than a story when you read The Darkest Torment. You get a little piece of my heart."

(Nota da Gena: Quando eu me sentei para escrever o próximo Senhores do Mundo Subterrâneo, tive algumas decisões duras a tomar. Deveria contar a história de Cameo, a mais desejada entre as leitoras dos Senhores, mesmo que ainda não tenha estabelecido o formato final do plot do livro dela? Deveria contar a história de William, que não é um dos Senhores mas também é um dos favoritos dos leitores, mesmo sem ter estabelecido nada sobre a trama dele? Ou, deveria contar a história de Baden, o personagem sobre o qual os leitores menos sabem? No final, tive que seguir com a história que estava mais empolgada em contar, e no momento, naquele segundo que o dilema e a heroína de Baden vieram até mim, eu engasguei. Eu tremi. Segui com antecipação, as cenas surgindo na minha mente. Escrever o livro dele se tornou uma necessidade, uma inegável paixão e a minha esperança é que a paixão brilhe em cada palavra. Porque você terá mais que uma história quando você ler The Darkest Torment. Você terá um pedacinho do meu coração)
*tradução livre*

Entenderam porque, depois de taaaaaaaaaaaaaanta espera, esse comunicado da Harlequin Brasil soa como uma luz ao fim do túnel. Será que posso ter esperança de que finalmente terei a chance de ler Amunzinho de Betinha ainda neste ano...?

Aí a Fabiana Correa me avisou no Twitter disso aqui: pré-venda na Amazon e na Travessa.

É, realmente podemos ter esperança.

Oremos.

Bacci!!!

Beta

terça-feira, fevereiro 09, 2016

Ciao!!!



Oi, Rick Riordan!

Amigas de confiança sempre me falaram bem de você, mas nossos caminhos ainda não tinham se cruzado. Até que você lançou este livro. Aí meu aniversário me levou à uma farra consumista na livraria – cortesia da minha prima – e você veio aqui para casa.
E posso antecipar: você fará este caminho mais vezes.
Beijos.

Magnus Chase e os deuses de Asgard: A espada do verão – Rick Riordan – Intrínseca
(The sword of Summer – 2015)
Personagens: a corrida de Magnus Chase para evitar o Ragnarök

Magnus Chase vivia nas ruas de Boston desde que ficou órfão. Até que descobre que parentes o estavam procurando. E justamente no dia do 16º aniversário, ele morreu em uma luta com um lorde de um mito nórdico. Considerado herói de valor, foi levado por uma Valquíria para Valhala. Se você está achando muita loucura, imagine só quando ele descobre que é o ponto principal de uma profecia sobre um gesto que pode desencadear o Juízo Final em menos de uma semana. Pois é, a encrenca estava só começando.

Comentários:

- Nem virei com a lenga-lenga de “por que nunca li Rick Riordan antes?”. Meu destino pós-Harry Potter me levou a outras jornadas. Até que ouvi falar da nova série dele e percebi duas coisas: “ei, o garoto é a cara do Kurt Cobain” (uai, gente, posso não ser expert, mas conheço músicas dele) e, como vocês me conhecem, “está escrito ASGARD ali?”. E como cresci com a mitologia greco-romana ao alcance de uma enciclopédia, não tenho tanta intimidade com a mitologia nórdica além das versões apresentadas em Cavaleiros do Zodíaco (a saga de Asgard tem imagens lindas. E Shiryu sangrando. Normal) e nos filmes da Marvel (preciso dizer alguma coisa?). Então, lá estava eu pouco depois do meu aniversário, divando com um vale-presente na livraria. Depois de revirar todos os cantos e estar com três livros na mão a caminho da vendedora, dei meia volta e fui atrás do novo Rick Riordan. Estava na hora da gente se conhecer, né? Claro que estourei o limite do presente. Mas valeu a pena!

- Li este livro em dois dias (se estivesse de férias ou folga, teria sido em horas - e não, não é exagero). Amei o humor – mesmo nos piores momentos vividos pelos personagens, não fica forçado. A história não roda, não encalha, ela avança e não para. Rick Riordan poderia dar tutorial para algumas colegas escritoras sobre como oferecer uma leitura que flui e transformar todas as informações em algo útil para o desenvolvimento da trama e do personagem. O Magnus Chase que encontramos na primeira página estará bem diferente quando nos despedimos dele já se perguntando quando sairá o próximo livro (ou se você estiver em modo leitora compulsiva escorpiana: “Cadê? Por que ainda não foi lançado?”).  

- Magnus Chase (pausa para o chilique: ele é canhoto *.*) sempre desconfiou que havia algo diferente com ele, só não conseguiria imaginar o tamanho da encrenca. E nem que teria que morrer para as peças do quebra-cabeça da própria vida dele começarem a aparecer e ele ter que montar enquanto estava envolvido em um problema ainda maior. (Não estou dando spoiler. Ele conta parte disso na primeira frase). Morando nas ruas desde a morte da mãe, que se sacrificou para que ele fugisse, Magnus se assustou ao perceber que era procurado por dois tios e uma prima (sim, sei quem ela é – mas ainda preciso ler os livros onde está para saber mais sobre ela, ok?). No reencontro com tio Randolph, não conseguiu entender nada só que devia ser protegido para não ser morto no dia do aniversário. 


“Escolhido por engano, não era a sua hora 
Um herói que, em Valhala, não pode permanecer agora 
Em nove dias o sol irá para o leste 
Antes que a Espada de Verão a fera liberte”

- Então ele se vê invocando uma espada para usar em uma batalha contra um ser que controla o fogo numa ponte de Boston. E morre para salvar os outros e acorda em Valhala, Hotel Valhala para ser mais exata. Nem dá tempo direito de absorver o que é o lugar ou entender como e o motivo que o levou até lá. Uma profecia vai novamente mudar os rumos de Magnus Chase e colocá-lo em uma corrida contra o tempo, com aliados improváveis, em busca da espada que pode desencadear ou atrasar o Ragnarök, o Juízo Final. Para isso, usando Boston como referência e ponto de partida, viaja pelos nove mundos. Aliás, a forma como o autor usa a cidade é intrigante e instigante – coisa que é resultado de uma pesquisa profunda e bem usada. Aposto que deve ter gente passeando por lá, caçando as referências e as relações. É o que eu faria se algum dia a visitasse.

- E é desta forma que Magnus vai descobrindo mais sobre suas origens, entendendo as atitudes da mãe que, de certa forma, o preparou contando vários mitos nórdicos. Com o apoio de um grupo de “azarões” (cada um possui características específicas que os levam a ser depreciados ou subestimados pelos outros), o anão Blitzen, o elfo Hearthstone, a ex-valquíria Samirah Al-Abbas (amei Sam, sou totalmente tiete dela), parte em uma jornada onde vão superar seus limites, usar suas inteligências e habilidades porque cada erro pode mesmo ser fatal. E que para conseguir o que quer, precisa se envolver com outras criaturas – incluindo aí, gigantes e deuses – que também possuem seus próprios interesses e não hesitam em usar Magnus e os amigos para conseguir o que querem sem se colocar em risco. E ainda tendo a possibilidade de contar (?) com os conselhos e dicas de nada mais nada menos que Loki, o deus da trapaça, que está realmente interessado no desfecho da jornada do rapaz.

- Nem preciso dizer que me deu vontade de sair correndo atrás de um livro sobre Mitologia Nórdica e ler já (já passou da hora, né?). O autor tem domínio sobre os personagens e apresenta os deuses de uma maneira que a gente consegue imaginá-los – inclusive de formas diferentes ao que já foi mostrado em outros lugares (claro que recorri às minhas referências em CdZ e Marvel, né? Cada um usa o que tem). Gente, o que é o Thor? E a Freya cercada de gatos? Queria ter visto um pouco mais sobre Heimdall. Ah, sim, você vai ter uma ideia literalmente da expressão “ficar de bode” depois de conhecer Otis.

- E não importa se é filme, livro ou sei lá o que, uma coisa se mantém: charmoso, persuasivo, inteligente, magnético, afiado e nada digno de confiança, Loki rouba a cena (ainda mais porque tive crise de risos ao ver que compartilho um gosto muito específico com ele – e não é o Red Sox).

Site da imagem
Claro que, mesmo com a descrição do autor, minha mente decidiu sozinha fazer algumas ligações e após uma pesquisa – que incluiu o imparcial e democrático reino do Twitter – vi que não estava só na minha percepção.
(Ah, a propósito, feliz aniversário Tom Hiddleston, tudo de muito bom para você!!!).

- Enfim, divertido demais, bom demais, empolgante, bem escrito. Estou esperando pelo próximo – ainda mais pelo gancho das duas cenas finais. Prometo não demorar tanto para ler.



Série Magnus Chase e os Deuses de Asgard
1. A espada do verão – The Sword of Summer 
2. O martelo de Thor – The hammer of Thor


Bacci!!!

Beta

segunda-feira, fevereiro 08, 2016

Ciao!!!


Se eu tenho radar para série, a #MadreHooligan veio com o sensor de livros de autoras nacionais. Mesmo quando não parece, como neste caso.
Ai gente que livro leve e fofo. Sabe equilibrar a dose de sensualidade com um rapaz que precisa de uns cascudos para reconhecer o amor da vida dele.
Ou seja, como sempre, #MadreHooligan estava certa.

Louca por você – A. C. Meyer – Universo dos Livros
(2014)
Personagens: Juliette Walsh e Daniel Stewart

Julia trabalhava na casa noturna After Dark e sonhava em um dia se apresentar como cantora. O problema era que um dos donos, Daniel Stewart, não permitia. Os dois tinham sido criados juntos e ele ainda não tinha percebido que ela cresceu. Durante uma emergência em que Daniel não foi localizado, Rafe promoveu Julie à vocalista da The Band. E com o apoio dos amigos George e Johanna, Julie foi um arrasa-quarteirão que deixou todos impressionados, os homens babando e tirou Daniel do sério.

Comentário:

- Sabe aquele livro que você começa a ler, vai embalando e quando vê faltam cinco capítulos para terminar? Foi o que ocorreu em cerca de 1h30 comigo. A ideia era só começar, sentir a escrita da autora. Quando me dei conta, já estava perto dos 75% e tive que parar para dormir. Exatamente porque o livro não empaca, é de leitura rápida. Uma comédia romântica estilo filme da Sessão da Tarde. Bem, uma Sessão da Tarde um tanto apimentada – sim, em algumas cenas, seria necessário tirar as crianças da sala.

- Julie era a garota presa ao rótulo “irmãzinha postiça caçula” de Daniel. Afinal de contas, quando ela ficou órfã, foi adotada e criada pela família dele, que a conhecia desde pequena. Por isso, quando a história começa, somos apresentadas à garota que passou a vida inteira apaixonada pelo garoto que sempre esteve ao lado dela, mesmo depois que saíram de casa, sendo que apenas ele não percebeu isso.

- Mal sabia Danny que o mundo dele nunca mais seria o mesmo depois que viu o vídeo da nova vocalista da The Band interpretando Fever que bombou na internet. Ele tinha que saber quem era a loira sedutora. Quando voltou para casa e para o trabalho, teve o maior choque da vida ao descobrir que era Julie no palco. Nada de óculos, visual apagadinho. Nada de “irmãzinha postiça”. Ela elevou a pressão arterial de todos os homens no recinto e se tornou o alvo de todos eles. Só que Julie não queria ser a próxima de uma fila quase infinita que fez o percurso até a casa de Danny e foi dispensada em seguida. Ela pretendia fazer com que ele percebesse que ela era a única.

- E digamos que isso foi um processo um tiquinho mais demorado. Porque é triste amar tanto e perceber que não é correspondido – oficialmente – na mesma medida. Ficar arrancando sentimentos do outro é desgastante, irritante e até um tanto humilhante. Será uma relação sexy, envolvente, apaixonante e passional – para bem e para mal. Danny não vai colaborar para uma felicidade imediata, mas gostei que Julie não é uma abnegada que tudo perdoa e compreende. A paciência dela tem limites bem claros aos quais Danny será apresentado e terá que lidar com as consequências disso. Eu me diverti muito com o romance dos dois

- Ao longo das idas e vindas de Julie e Danny, conhecemos os demais personagens – e futuros protagonistas – da série. Os amigos Zach e Rafe, sócios dele na After Dark. A irmã de Danny, Johanna, quando não está concentrada vendo mensagens no celular, é um dos apoios de Julie nesta jornada. A dra. Jenny e a filha, Maggie. Alan, vocalista bad boy e os amigos da The Band. E claro, o melhor best friend forever – um Tiny Cooper adulto que também me lembrou de um xará dele no cinema (não, não tem cena parecida no livro nem na série... ainda!) George, o amigo gay de todas as horas e que não possui limites quando se trata de dar um empurrãozinho/proteger a sua “garotinha”. Grandes chances de você querer um George para chamar de seu. Ainda bem que a série continua e, com certeza, iremos reencontrá-lo nos próximos livros!

Série After Dark
Louca por você – Juliette Walsh e Daniel Stewart
Apaixonada por você – Johanna Stewart e Zachary Taylor
Fascinada por você – Raphael Collins e Jennifer Steel


Bacci!!!

Beta

domingo, fevereiro 07, 2016

Ciao!!!



Conto de fadas? Bela Adormecida? Opa, tô dentro!
No fim das contas, foi uma surpresa por ir de encontro – e conseguir destoar – de todo um imaginário já estabelecido.

Enquanto Bela dormia – Elizabeth Blackwell – Arqueiro
(While Beauty Sleept - 2014)
Personagens: a jornada de Elise

Desde nova, Elise enfrentou batalhas para ficar viva. A varíola levou irmãos e a mãe, mas serviu como motivo para ela se candidatar a uma vaga no castelo, onde se tornou criada. Por ser discreta, subiu nos cargos e passou a trabalhar direto com a rainha Lenore e, mais tarde, com a princesa Rosa. Foi testemunha e, por vezes, uma das protagonistas em uma trama de poder, loucura, inveja, ganância, ambição e morte, mas que se tornou um conto de fadas com direito ao “e viveram felizes para sempre”.

Comentários:

- Ao lado de Jasmine, Aurora/Rosa de Bela Adormecida é a minha princesa favorita. Algo a ver com a música do balé de Tchaikovsky, com o vestido que ficava azul (pelas graças de Primavera) e com o príncipe Felipe, que realmente tem que se esforçar para salvar a princesa. Portanto quando vi um livro que oferecia uma releitura da história, claro que veio para a lista dos desejos. E assim que apareceu aqui em casa, eu li.

- O que posso dizer da experiência? Bem, se tirarmos toda a magia da história (as bruxas, a maldição de morte e o feitiço que transforma a maldição em sono até o primeiro beijo de amor) é exatamente o resultado do trabalho da autora. Ela trouxe a trama da Bela Adormecida para a realidade em um reino do período medieval. Ah, mas não sobra nada interessante, você pode pensar? Mentira: ficaram os seres humanos, capazes das melhores e das piores atitudes. Tudo narrado sob o ponto de vista de uma daquelas pessoas que deveriam permanecer invisíveis: uma jovem, que se tornou criada e virou uma peça importante em um jogo de vida ou morte disputado no castelo.

- Temos um casal que se ama sofrendo por não conseguir ter filhos. Temos uma mulher que ambiciona um poder que não poderia ter e encontra outras formas de exercer o controle das pessoas e situações conforme seus desejos. Temos outra mulher que teve o coração partido pela inveja. Temos uma criada, com um segredo de nascimento que se vê ligada a uma família real e em dúvida entre esta lealdade e o amor. Temos uma princesa mimada e protegida pelo medo dos pais em perdê-la. 

- É uma história que se desenrola ao longo de anos, onde cada gesto terá uma consequência e um desdobramento. Cada atitude pode revelar mais sobre quem cometeu. Imaginei a trabalheira que a autora teve em pegar as referências e encontrar formas de usá-las no livro, que funciona bem como a possível versão real de um conto de fadas.  

- Minha única crítica é o excesso de anúncios de “desgraça a caminho”, ainda mais porque todos conhecem um pouco o conto, a gente já imaginava o que poderia ocorrer, só não sabia como. Por isso, os anúncios de “desgraça a caminho” só servem pra gerar angústia em leitoras desesperadas como eu.

- Vida e morte são a força motriz de muitas histórias e esta aqui não seria diferente. O livro narra uma jornada de beleza, de amor, de amizade, de lealdade, mas de sofrimento, de maldade, de dor e de perda. Vale a pena ler porque sabemos que nem sempre a vida é um conto de fadas. Por que então não podemos enxergar o bom e o ruim da vida através dos padrões dos contos de fadas?


Bacci!!!

Beta

sábado, fevereiro 06, 2016

Ciao!!!



Awwwwww!!!
Que coisa mais fofa esse conto, gente!

O casamento Hathaway – Lisa Kleypas – Arqueiro
(E-book – 2015)
Personagens: família Hathaway às voltas com o casamento de Merripen e Win

Está chegando o dia do casamento de Kev e Win, embora ambos já se considerassem casados, faziam questão de uma cerimônia para formalizar a união. O problema é que Kev não parou de encontrar sinais de má sorte à medida que a data se aproxima. Enquanto isso, Amelia continua preocupada com o destino das irmãs e Beatrix está envolvida em um resgate complicado de um animal indefeso.

Comentários:

- Em cinco capítulos, a autora narra a expectativa e o desenrolar do casamento de Win e Merripen, além de momentos da rotina da família. A gente começa acompanhando a intimidade do casal – e eu fico muuuuuuito feliz de ver que finalmente os dois estão juntos e felizes. Já “casados no coração”, eles conversam sobre a cerimônia e Merripen revela estar preocupado porque viu vários sinais de azar no entorno deles. Enquanto Win não leva a sério o que chama de “superstições” do marido, Kev deixa claro que se casa com ela de qualquer jeito, em qualquer lugar no dia marcado e ponto final. Bem, se você leu os dois primeiros livros sabem que, quando os rapazes ciganos decidem algo, será do jeito que eles querem.

- Enquanto isso, Amelia – a irmã que se preocupa com todo mundo da família – está, advinhem, preocupada com as irmãs que já estão na temporada da sociedade? Poppy e Beatrix ainda não encontraram pretendentes e quer que ambas sejam felizes. Enquanto isso, Beatrix está às voltas com os resgates de animais feridos, principalmente depois de presenciar maus tratos em uma exposição itinerante que chegou à região. Imagina se ela ficaria sem fazer alguma coisa!

- E teremos o casamento. Claro que os planos serão alterados de última hora, convidados inesperados vão aparecer e haverá tumulto. Será bem divertido, menos para o pobre do Merripen. Mas vocês terão que ler para descobrir o por quê.

- É curtinho, serve muito bem como a ponte entre o segundo e terceiro livros. Traz mais um pouco do casal que tanto amei e que tanto penou para estar junto. Tem humor, tem dicas das personalidades das protagonistas que ainda vão assumir nos próximos livros. Leitura divertida e descompromissada.  Vale a pena!

- A série em Português está concluída. #Madrehooligan já leu todos. Eu empilhei e espero fazer uma maratona, ainda mais agora que a maré caos está se tranquilizando na minha vida. Ao todo, Os Hathaways são formados por cinco livros (além do um e-book spin off):

1. Mine Till Midnight (2007) - Desejo à Meia-Noite - Amelia e Cam
2. Seduce me At Sunrise (2008) - Sedução ao Amanhecer - Win e Merripen.
2.5 – A Hathaway wedding (2009) - Casamento Hathaway
3. Temptme at Twilight (2009) - Tentação ao Por do Sol - Poppy.
4. Married By Morning (2010) - Manhã de Núpcias - Leo.
5. LoveIn The Afternoon (2010) – Paixão ao entardecer - Beatrix.


Bacci!!!

Beta